vacina
POLÍTICA

Mussi acompanha relator e vota por redução de pena de Lula

23 Abr 2019 - 17h22Por Rafael Moraes Moura

O ministro Jorge Mussi, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), votou nesta terça-feira, 23, a favor da redução da pena imposta ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no caso do "triplex do Guarujá" para 8 anos, 10 meses e 20 dias de reclusão, acompanhando o entendimento do relator, ministro Felix Fischer.

Ainda faltam se posicionar mais dois ministros do colegiado - Reynaldo Soares da Fonseca e Marcelo Navarro Ribeiro Dantas. Se prevalecer o entendimento do relator, a redução de pena pode abrir caminho para Lula migrar para o regime semiaberto.

No ano passado, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) aumentou a pena de Lula para 12 anos e um mês de prisão, sob a alegação de que o petista apresentou "culpabilidade elevada" ao participar de um sofisticado esquema de fraude na condição de presidente da República. Na ocasião, os desembargadores do TRF-4 também levaram em consideração que outros réus também foram condenados a penas elevadas no âmbito da Lava Jato.

"Ora, sabe-se que o processo de individualização da pena é o momento para que o juiz avente todas as circunstâncias, causas e efeitos do ato criminoso e das condições pessoais do seu ator. Trata-se de árdua tarefa atribuída ao magistrado da causa", destacou Mussi.

"Não se pode agravar a pena do agente sob de que para outros acusados foi fixada essa ou aquela reprimenda. O que importa é o que se está a julgar, essa fixação não pode ser influenciado em base de elementos externos, principalmente na situação dos outros envolvidos", ressaltou o ministro.

Em seu voto, Mussi rechaçou as principais teses levantadas pela defesa do ex-presidente e destacou não ser necessária a identificação de um "ato de ofício" de Lula nos desvios praticados na Petrobras para condená-lo por crime de corrupção.

"Para configuração do crime de corrupção passiva, não se exige ato de ofício. Idêntica compreensão é retirada de precedentes bem recentes do STF em casos da Lava Jato. Igualmente é a jurisprudência do STJ", frisou Mussi.

O ministro também rechaçou outro ponto levantado pela defesa de Lula, o de que Lula teria sido condenado duas vezes pelos mesmos fatos no caso do triplex. "O tribunal não condenou o recorrente duas vezes pelos mesmos fatos, pois demonstrou a autoria dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro", acrescentou Mussi, destacando que as supostas condutas de lavagem sucederam às de corrupção passiva.

Consciência

No início do voto, o ministro Mussi afirmou que estava com a "consciência tranquila" no julgamento.

"O destino nos reservou a responsabilidade de julgar um processo de tamanha complexidade e tenho dito, sempre e sempre, que o voto é um exercício de consciência. Por estar com a minha tranquila, com o meu ânimo firme e seguro, passo a proferi-lo", disse Mussi.

Matérias Relacionadas

Política

Obra na SC 108, em Guaramirim, será alvo de avaliação do Tribunal de Contas

TCE/SC faz levantamento em contratos e obras de infraestrutura no Estado que somam R$ 2,9 bilhões
Obra na SC 108, em Guaramirim, será alvo de avaliação do Tribunal de Contas
Política

Lunelli critica burocracia para liberação de recursos aos atingidos pelas enchentes

Parlamentar também destacou a importância da obra de dragagem autorizada pelo governo do Estado em Rio do Sul 
Lunelli critica burocracia para liberação de recursos aos atingidos pelas enchentes
Política

Em Brasília, Caropreso discute canabidiol e segunda língua estrangeira nas escolas

O parlamentar realizou reuniões com senadores e parlamentares para tratar de projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional que tratam do uso medicinal da cannabis e do ensino de segundo idioma estrangeiro nas escolas
Em Brasília, Caropreso discute canabidiol e segunda língua estrangeira nas escolas
Geral

Senado aprova suspensão da dívida do RS com a União por três anos

Estado poderá direcionar R$ 23 bilhões para reconstrução
Senado aprova suspensão da dívida do RS com a União por três anos
Ver mais de Política