POLÍTICA

Muita segurança e poucos protestos marcaram o casamento de Eduardo Bolsonaro

25 Mai 2019 - 22h55Por Roberta Jansen e Fabio Grellet

Muita segurança e poucos protestos marcaram o casamento do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, com a psicóloga Heloisa Wolf, no fim da tarde e na noite deste sábado, 25, em Santa Teresa, na região central do Rio.

Agentes do Exército e policiais militares montaram guarda em diversos pontos do bairro, e blindados conhecidos como caveirões foram posicionados nos acessos das favelas do bairro. Não houve protestos organizados na porta da casa de festas. Alguns passantes gritaram "cadê o Queiroz" - alusão a Fabrício Queiroz, ex-assessor de outro filho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), sob investigação -, palavrões e insultos. Mas não houve confusão.

Atiradores foram posicionados em prédios e pontos altos. O presidente, Flávio e outro dos filhos de Bolsonaro, o vereador Carlos, chegaram em comboios, sob escolta.

Bolsonaro entrou na cerimônia ao som de "We Are The Champions", clássico da banda inglesa Queen. A cachorrinha Beretta, mascote do casal, com a guia e a coleira decoradas com flores, estava com a filha caçula do presidente, Laura, de 8 anos. A primeira-dama Michele foi uma das madrinhas - todas usavam vestidos azuis.

De terno azul claro e colete prata, o noivo entrou de braços dados com a mãe, Rogéria Bolsonaro, ex-vereadora, vestida de vermelho. A festa, para 150 convidados, foi em uma área com vista para a Baía de Guanabara, o Pão de Açúcar e o Corcovado, no bairro construído sobre morros entre as zonas sul e norte - ironicamente, um tradicional reduto da esquerda carioca.

Nem durante a festa Bolsonaro deixou o Twitter. Desta vez, usou-os para celebrar o casamento do filho. Às 17h15, cumprimentou publicamente o noivo na rede. "25/maio, casamento do 03. Que Deus proteja essa família que se forma nessa data. Aos 35 anos Eduardo entra no time dos homens sérios (kkkkk)", escreveu Bolsonaro. Publicou uma foto dele com Eduardo, na festa.

O matrimônio foi celebrado pelo pastor Pedro Litwinczuk, presidente da Igreja Comunidade Batista do Rio. Escolhido por Rogéria Bolsonaro, mãe de Eduardo, e conhecido como Pastor Pedrão, ele participou da terceira temporada de "No limite", primeiro reality show da TV Globo, em 2001.

Eleitor declarado do clã Bolsonaro, o religioso chamou atenção pela cabeça raspada e a barba grande. Neste domingo, 26, o casal inicia a lua de mel nas Ilhas Maldivas. Pouco depois das 20h, o presidente se retirou do local.

Protesto

Poucos metros acima da casa de festas, moradores do Condomínio Equitativa - um reduto da esquerda, com adesivos de "Lula Livre" nas áreas comuns - protestaram. Nas fachadas dos apartamentos voltadas para o jardim da casa de festas, eram vistas faixas pretas, com recados aos noivos, como "Não procriem", e palavras de ordem como "Fora Bolsonaro".

Caixas de som tocavam hinos da resistência dos anos 60 e 70: "Pra não dizer que não falei de flores", de Geraldo Vandré, e "Apesar de você", de Chico Buarque. Era uma tentativa de abafar a música da festa.

"A razão do protesto e, em primeiro lugar, política", contou a síndica do condomínio, Sandra Gonçalves de Oliveira, 52, uma das organizadoras do ato. "A maioria das pessoas aqui é contra o Bolsonaro."

Moradores afirmaram também que o bairro foi limpo e postes de iluminação pública consertados especialmente para o casamento. Em geral, não é assim, o que provocou reclamações. "As ruas de acesso são imundas, tem porcos. Hoje para o casamento está tudo lindo", disse a síndica.

Matérias Relacionadas

Política

Prefeitos da região estão inseguros quanto ao Programa Recuperar do Governo do Estado

O governo do Estado, ficará responsável por fiscalizar os trabalhos, além de liberar os recursos para garantir o andamento das obras
Prefeitos da região estão inseguros quanto ao Programa Recuperar do Governo do Estado
Política

Ministro da Justiça participa do evento da ACAERT no dia 30 de setembro em Florianópolis

A palestra do ex-magistrado será às 10h30 do dia 30 de setembro, no auditório do Tribunal de Justiça de Santa Catarina TJSC, na capital
Ministro da Justiça participa do evento da ACAERT no dia 30 de setembro em Florianópolis
VÍDEO

Ações trabalhistas podem inviabilizar Prefeitura de Corupá

A ação coletiva foi movida por de atrasos em pagamentos
Ações trabalhistas podem inviabilizar Prefeitura de Corupá
Emenda Coletiva da Bancada 2020

Fórum Parlamentar Catarinense se reúne em Florianópolis para definir propostas

A iniciativa busca evitar a peregrinação a Brasília
Fórum Parlamentar Catarinense se reúne em Florianópolis para definir propostas
Ver mais de Política