Dia internacional das Mulheres
POLÍTICA

MPF: tentativa de depósito à Argeplan é indicativo que organização continua ativa

21 Mar 2019 - 19h47Por Vinicius Neder e Mateus Fagundes

Procuradores da República da força-tarefa da Lava Jato no Ministério Público Federal (MPF) do Rio defenderam na tarde desta quinta-feira, 21, a prisão preventiva do ex-presidente Michel Temer com base no fato de os crimes seguirem sendo praticados e por causa da possibilidade de obstrução das investigações. Deflagrada nesta quinta, a Operação Descontaminação prendeu também o ex-ministro Moreira Franco e mais seis pessoas.

Segundo a procuradora da República Fabiana Schneider, as investigações conduzidas pela Procuradoria-Geral da República (PGR), envolvendo o ex-assessor de Temer Rodrigo Rocha Loures, confirmaram o envolvimento de Temer com a empresa Argeplan, do coronel João Baptista Lima Filho, reformado na Polícia Militar de São Paulo, apontado como operador financeiro do ex-presidente. A obra feita pela Argeplan na casa de Maristela Temer, filha do ex-presidente, comprovaria o pagamento de propina também.

Para sustentar que os crimes seguiram sendo praticados recentemente, Fabiana informou que o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) identificou uma tentativa de depósito de R$ 20 milhões, em espécie, na conta da Argeplan. Conforme o procurador da República Rodrigo Timóteo, a empresa do coronel Lima movimentou R$ 17 milhões de 2010 a 2016. Além disso, a empresa de fachada transferia recursos à outra firma, a PDA Administração.

"Interceptamos que coronel Lima era quem entregava dinheiro do esquema", afirmou a procuradora Fabiana Schneider, completando que uma conta de telefone de Temer era paga por uma empresa do coronel Lima.

Segundo o procurador da República José Vagos, Temer era o líder da organização criminosa do MDB. Vagos citou a indicação do contra-almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva para a presidência da Eletronuclear e a prisão de outros políticos do MDB que seriam do grupo de Temer, como os ex-deputados Eduardo Cunha, Geddel Vieira Lima e Rodrigo Rocha Loures.

"É inimaginável prender pessoas da organização criminosa e o líder estar solto", disse Vagos, lembrando que o pedido de prisão se embasa na garantia da ordem pública.

Além da prática continuada e recente de crimes, Vagos citou a destruição de provas como justificativa para a prisão. Segundo o procurador, havia destruição de provas na Argeplan, com o objetivo de impedir as investigações. Por isso, "não existia outra medida possível que não a prisão para debelar organização", disse Vagos.

"A prisão de Temer é decorrência lógica de crimes que ele praticou a vida toda", disse o procurador Eduardo el Hage.

Os procuradores citaram ainda a interceptação de e-mails de 2015 para embasar as acusações. Segundo eles, o material produzido pela PGR também foi usado. Vagos citou o caso da J&F, em que Temer foi gravado em conversas com executivos do grupo controlador do frigorífico JBS, como prova de obstrução de Justiça pelo ex-presidente. Outro motivo para manter Temer preso é o fato, segundo os procuradores, de que o grupo adotava parcelamento de propina por vários e vários anos.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Política

Projeto que institui "Parada Segura" em Jaraguá passa por 1a votação 

Com a Parada Segura, mulheres, pessoas com deficiência e idosos terão a possibilidade de descer do ônibus perto da residência ou em um local que se sentirem seguros
Projeto que institui "Parada Segura" em Jaraguá passa por 1a votação 
Saúde

Ministro da Saúde visita região Oeste de Santa Catarina nesta sexta

Eduardo Pazuello participa de compromissos com autoridades municipais e estaduais sobre ações de enfrentamento à pandemia de Covid-19 na região
Ministro da Saúde visita região Oeste de Santa Catarina nesta sexta
Política

Vereadora propõe atualização da Tarifa Social do Samae 

Hoje o desconto é de R$ 4,50. 
Vereadora propõe atualização da Tarifa Social do Samae 
Saúde

Covid-19: Lunelli busca estratégia conjunta com municípios do Norte de SC

Prefeito de Jaraguá do Sul conversou com representantes da Amunesc e Amvali 
Covid-19: Lunelli busca estratégia conjunta com municípios do Norte de SC
Ver mais de Política