Dia internacional das Mulheres
POLÍTICA

Mourão defende revisão histórica do início da ditadura militar

27 Mar 2019 - 22h13Por Julia Lindner

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, defendeu nesta quarta-feira, 27, uma revisão histórica do golpe militar de 1964. Ao comentar as "comemorações" do próximo dia 31 de março, quando o início da ditadura militar completa 55 anos, Mourão afirmou que a data representa um "fato histórico" e, portanto, é preciso "mostrar o que aconteceu". Ele considera que no futuro a data será vista como o "ápice das intervenções militares".

"Cada um tem sua ótica sobre isso aí, eu vejo que precisamos que atores e historiadores isentos analisem, esta é a minha visão. Olho muito assim e acho que no futuro vai ser visto que 31 de março foi o ápice das intervenções militares durante a história da República", disse o vice.

Por sua vez, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quarta que não houve ditadura militar no Brasil, mas admitiu que houve "probleminhas" no regime que iniciou em 1964 e foi até 1985.

Assim como no texto da ordem do dia que será lido nos quartéis no próximo domingo, Mourão destacou que o início da ditadura ocorreu no "contexto da guerra fria" para justificar excessos. O documento é assinado pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo, e os comandantes das Forças Armadas. Também afirmou que o texto da ordem do dia é "conciliador", embora o documento não faça qualquer autocrítica.

"Guerra tem excessos e estas coisas são sabidas. Acho que o que vai ser feito em termos de ordem do dia vai ser algo muito conciliador colocando que as Forças Armadas combateram o nazifascismo, combateram o comunismo e isto é passado e faz parte da história", justificou Mourão.

Como revelou o jornal O Estado de S. Paulo, Bolsonaro estimulou comemorações nos quartéis no dia 31 de março. Agora, a orientação tem sido questionada na Justiça. Sobre o assunto, Mourão questionou: "vivemos um estado democrático de direito? Não faz parte cada um defender aquilo que é justo?". "Então, tudo bem, usem os instrumentos legais", continuou.

Questionado se acha justo vítimas da ditadura entrarem na Justiça contra as comemorações, falou que considera "normal" usar os instrumentos legais. Indagado sobre o fato de eventualmente a comemoração agredir de alguma forma familiares de vítimas da ditadura, declarou que "houve vítimas de ambos os lados". E que a lembrança da data nos quartéis sempre foi feita e "não tem nada demais nisso aí".

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Política

Relatório do impeachment dos respiradores será votado em 26 de março

Caso o documento recomende a aceitação da denúncia e seja aprovado pela maioria simples dos julgadores (ao menos seis votos favoráveis), Moisés será afastado temporariamente do cargo e seu julgamento terá sequência
Relatório do impeachment dos respiradores será votado em 26 de março
Saúde

Senado aprova MP que autoriza crédito de R$ 2,5 bi para Covax Facility

A estimativa é que o Brasil obtenha 10,6 milhões de doses
Saúde

Biden determina que estados priorizem vacinação de professores

Pediu ainda que os estados apliquem pelo menos uma dose de imunizante em cada educador até o fim de março.
Política

Lunelli, Maldaner e Berger vão disputar prévia do MDB ao governo do Estado

A votação vai ocorrer em agosto em todos os 295 municípios de SC
Lunelli, Maldaner e Berger vão disputar prévia do MDB ao governo do Estado
Ver mais de Política