POLÍTICA

'Lava Jato não vencerá epidemia da corrupção sozinha', diz economista

21 Fev 2019 - 08h47Por Marcelo Godoy

É preciso tornar o risco para os corruptos maior a fim de que a corrupção se torne menor no País. Modificações institucionais são para a economista Maria Cristina Pinotti necessárias para completar o trabalho da Lava Jato. Combater a corrupção, não é só um imperativo ético. Ele é necessário para garantir o desenvolvimento do País e produzir uma sociedade mais justa. Sem isso, o futuro será a estagnação econômica, como a Itália, que não aproveitou a Operação Mãos Limpas para mudar.

Essa é a tese central da economista em "Corrupção, instituições e estagnação econômica: Brasil e Itália", parte do livro "Corrupção: Lava Jato e Mãos Limpas", organizado por Maria Cristina, que contém artigos dos magistrados italianos da Mãos Limpas Gherardo Colombo e Piercamilo Davigo, dos procuradores da força-tarefa da Lava Jato Deltan Dallagnol e Roberson Pozzobon e do ministro da Justiça, Sérgio Moro.

O prefácio é do ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal. Após o lançamento da obra, todos devem participar de um debate no Estado que discutirá os ensinamentos das operações. Leia a entrevista.

Por que combater a corrupção é central para um País mais justo?

O mau uso de recursos públicos significa que a população receberá um serviço de pior qualidade do que a quantidade de dinheiro que ela paga de impostos estaria a pressupor. Não há País que funcione sem oferta de serviço público decente, a começar da Educação, fundamental para qualquer ideia de desenvolvimento econômico. Assim também a Saúde e o Transporte.

Ações nessas áreas são formas de redução de desigualdade?

Exatamente. As instituições que garantem o desenvolvimento também garantem a baixa corrupção. É a mesma raiz. A corrupção não causa a pobreza nem a pobreza, a corrupção. Elas têm uma raiz comum, que é a qualidade das instituições. Quando falo em instituições, falo nas formais - as leis, regulamentos e regras - e as informais, ligadas à cultura, à maneira como as leis e os ordenamentos são encarados. Somos todos vítimas difusas da corrupção. Seu custo é incalculável; o viaduto que cai, a criança que deixou de receber o ensino que devia e cuja educação devia ser melhor. Como quantificar isso?

A produtividade do trabalho é afetada também?

Sim, se não se alimenta alguém na infância, o que se pode fazer depois? É por isso que é preciso redesenhar as instituições para garantir transparência no gasto público e a responsabilização de quem comete crime contra a população. Há necessidade de regras claras, que aumentem a concorrência no setor privado e a abertura da economia que leve as pessoas a confiarem uma nas outras, o que é crucial.

Como a corrupção afeta o desenvolvimento do País?

Há aspectos macro e micro. Os macroeconômicos mostram que ela afeta a produtividade. Com uma quantidade de dinheiro se produz menos do que seus pares, casos da Itália e do Brasil. Isso leva à estagnação da economia. Não adianta investir se a produtividade é baixa, pois a Educação não funciona, a Saúde não funciona e as regras não são claras. Quando há um cartel, o Estado não contrata o mais eficiente, mas quem paga a maior propina. O governo compra serviço ruim por preço alto. O efeito micro é a má alocação do recurso, com a construção de catedrais no deserto.

A corrupção não cria as condições para que seja derrotada?

Não. A impunidade leva as pessoas ao mau equilíbrio. A grande maioria gostaria de ser honesta, mas se deixa envolver. O comportamento corrupto se estabelece pela inércia. É preciso mudar a cultura. As operações Lava Jato e Mãos Limpas tinham condições de começar essa mudança. Estamos diante de um caso de corrupção sistêmica, que envolve todos os poderes. Não chegamos aos municípios ainda. A hora que destampar vai encontrar coisas piores, pois é uma epidemia. Não é Lava Jato sozinha que vai vencer a epidemia. Ela vai mostrar a existência. Não é papel dela vencer e erradicar a corrupção.

Como a corrupção se tornou sistêmica no Brasil?

Primeiro, um outro grupo subiu ao poder, com uma visão diferente, com expectativas e ideias que não acreditavam em economia de mercado e em transparência. É uma lógica, não um plano. Há marcos de mudanças nas instituições que facilitaram o processo como o fim da cláusula de barreira, o financiamento de partidos pelas empresas, o fim da prisão após a condenação em 2.ª instância e a extensão do foro privilegiado.

Não temos uma visão de que o empreendedor é só uma vítima, quando para haver corrupção passiva é preciso ter a ativa?

O comportamento das pessoas é determinado pelos incentivos aos quais estão submetidas. Incentivos são o outro lado da moeda das instituições. O empresário vê essa estrutura tributária que faz com que seu produto não seja competitivo e pensa que é mais fácil ir à Brasília pedir uma benesse do que ser eficiente. Não adianta a gente querer que não pague propina quando não tem lei e quando ela não é cumprida.

A divisão política afeta o apoio popular à Lava Jato?

Não. A Lava Jato chegou a ter 70% de aprovação. A população vê a corrupção como questão suprapartidária. É curioso. Sinto em alguns ambientes que a corrupção é tida como tabu, algo que não pode ser discutido, que se deve deixar como está, pois a Lava Jato está errada de fazer o que faz. Isso existe na elite. Na população não. Ela tem mais a percepção de que a corrupção é suprapartidária.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Política

Com absolvição, Moisés volta ao governo de SC

Por 6 votos a 4, o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) foi absolvido da acusação de crime de responsabilidade na compra dos 200 respiradores não entregues pela empresa Veigamed.
Com absolvição, Moisés volta ao governo de SC
Política

Jaraguá do Sul e Guaramirim voltam a tratar da ponte da Zanotti

Prefeitos se reuniram nesta semana e querem definir melhor solução nos próximos 30 dias.
Jaraguá do Sul e Guaramirim voltam a tratar da ponte da Zanotti
Economia

Governo do Estado institui o Auxílio Catarina

Benefício emergencial será destinado a mais de 60 mil famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica no estado
Governo do Estado institui o Auxílio Catarina
Política

Lunelli participa de encontro regional do MDB

Em Jaraguá do Sul, o encontro acontece hoje às 19h
Lunelli participa de encontro regional do MDB
Ver mais de Política