POLÍTICA

Joice Hasselmann diz que deputado Felipe Francischini presidirá CCJ

07 Mar 2019 - 20h28Por Teo Cury

A líder do governo no Congresso, deputada federal Joice Hasselmann (PSL-SP), disse a jornalistas na tarde desta quinta-feira, 7, que o deputado Felipe Francischini (PSL-PR) será o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados. De acordo com Joice, Bia Kicis (PSL-DF) será a vice-presidente da comissão.

A tramitação habitual de uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC) passa por dois passos cruciais antes de chegar ao plenário da Câmara. A proposta precisa ter o aval da CCJ, que vai verificar se ela respeita os princípios constitucionais, e depois tem de ser aprovada por uma comissão especial que analisa o teor do texto - e faz eventuais mudanças.

"O nome do deputado Felipe Francischini foi acatado pela nossa bancada. Fizemos um fechamento de um acordo com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o PSL ficou com a presidência da CCJ, que é a comissão mais importante dessa Casa e a comissão mais importante para que a gente dê o pontapé inicial na nova Previdência", disse Joice.

Na avaliação da líder do governo no Congresso, "seria uma loucura deixar na mão de um inimigo a CCJ". "O Felipe Francischini é um jovem deputado, chegou aqui na Câmara nesta legislatura, mas já tem experiência de Assembleia Legislativa, gosta do assunto e vai ser apoiado pela Bia Kicis que vai ser a vice-presidente dessa composição que nós fizemos."

Joice afirmou que os nomes dos relatores do texto da reforma na CCJ e na comissão especial ainda não estão definidos. Segundo ela, há cinco deputados disputando relatoria da comissão especial e "três ou quatro" da CCJ.

"A busca é por alguém que tenha musculatura para aguentar bastante pressão. Por óbvio, o relator dessa nova Previdência vai sofrer muita pressão, em especial de alguns segmentos que chamo de marajás da previdência. E obviamente (a busca é por alguém) que tenha também perfil técnico em relação a esse assunto e que esteja absolutamente alinhado conosco politicamente falando."

Questionada sobre se os deputados Arthur Maia (DEM-BA) e Pedro Paulo (DEM-RJ) seriam bons nomes, respondeu: "São bons nomes. Há outros neste páreo, mas são bons nomes".

Prazo e flexibilização

Joice disse acreditar que, mesmo com o atraso inicial para o início da tramitação do texto, a reforma deve ser aprovada até junho. Ela avaliou, contudo, que "esticar" uns dias no prazo não traria problemas. "Duas semanas a mais ou duas semanas a menos não vai fazer diferença no final das contas na aprovação da nova previdência."

Em sua avaliação, o mais importante é a articulação política para que o texto chegue ao plenário com a base consolidada. "Se vai ser no último dia de maio ou em meados de junho não faz a menor diferença. O que importa é a gente aprovar o texto."

Joice voltou a dizer que a cada alteração no texto da proposta corre-se o risco de o impacto na economia brasileira ser maior. "Não dá para abrir um leque gigantesco de flexibilizações e discussões porque assim a gente não terá reforma da Previdência, mas um Frankenstein da Previdência", afirmou.

De acordo com ela, continua a pressão para o encaminhamento da proposta de reforma dos militares. "Vários parlamentares e líderes dizem que só dá para começar a discutir a questão quando chegar ao projeto envolvendo os militares. Agora, o projeto está pronto, depende do desejo do governo de encaminhar para cá."

Lives

Joice informou que, depois que a articulação com a base do governo no Congresso for costurada, o presidente Jair Bolsonaro "entrará em campo". "Ele é nosso garoto-propaganda ideal da nova Previdência e ele vai participar. As lives devem ser retomadas semanalmente, ele vai voltar a ter olho no olho com o eleitor, que é uma coisa muito importante, até porque ele tem um canhão nas mãos quando o assunto são as redes sociais", disse Joice, que ressaltou que Bolsonaro terá "um peso muito grande na aprovação dessa nova Previdência."

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Política

Com absolvição, Moisés volta ao governo de SC

Por 6 votos a 4, o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) foi absolvido da acusação de crime de responsabilidade na compra dos 200 respiradores não entregues pela empresa Veigamed.
Com absolvição, Moisés volta ao governo de SC
Política

Jaraguá do Sul e Guaramirim voltam a tratar da ponte da Zanotti

Prefeitos se reuniram nesta semana e querem definir melhor solução nos próximos 30 dias.
Jaraguá do Sul e Guaramirim voltam a tratar da ponte da Zanotti
Economia

Governo do Estado institui o Auxílio Catarina

Benefício emergencial será destinado a mais de 60 mil famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica no estado
Governo do Estado institui o Auxílio Catarina
Política

Lunelli participa de encontro regional do MDB

Em Jaraguá do Sul, o encontro acontece hoje às 19h
Lunelli participa de encontro regional do MDB
Ver mais de Política