POLÍTICA

Flávio Bolsonaro diz ao SBT que pretende recorrer de quebra de sigilo

15 Mai 2019 - 23h14Por Letícia Fucuchima

Em entrevista ao SBT transmitida nesta quarta-feira, 15, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) afirmou que pretende recorrer da decisão do Tribunal de Justiça do Rio que determinou a quebra dos sigilos bancário e fiscal dele, de seu ex-assessor Fabrício Queiroz e mais de 90 pessoas. "Houve a quebra de sigilo por um prazo de 12 anos e, para fundamentar isso, ele (o juiz) usou um parágrafo", afirmou.

Flávio voltou a dizer que está sendo vítima de ilegalidades na investigação do Ministério Público do Rio sobre movimentações financeiras atípicas na conta de Queiroz. "Nunca falei que sou contra a investigação, que estou tentando impedir alguma coisa, nada disso. O que eu sempre relutei, e me causa revolta até, é a forma com que as coisas estão acontecendo. Estou sendo vítima, uma vez atrás de outra vez, de ilegalidades, não sou tratado como brasileiro normal".

Questionado sobre a valorização de quase 400% de seu patrimônio declarado à Justiça Eleitoral, conforme noticiado pela imprensa, o senador sugeriu que os números refletem uma dinâmica comum de negociação de bens e apontou que a própria imprensa o ajuda a esclarecer os fatos. "Entrevistaram algumas pessoas com as quais eu negociei imóveis, e elas falaram 'eu quis comprar, ele quis vender, ele teve uma oportunidade e nós fizemos negócio'".

O filho do presidente Jair Bolsonaro negou ainda que tenha vínculos com milicianos ao ser perguntado sobre sua relação com o ex-capitão da PM Adriano Magalhães da Nóbrega, que é acusado de chefiar uma milícia no Rio. Flávio afirmou que não pode controlar o que funcionários de seu gabinete fazem "da porta para fora". "Sou totalmente contra a milícia, nunca apoiei milícia na minha vida, sempre apoiei policiais", declarou.

Matérias Relacionadas

Política

Ex-secretário da Saúde nega ter autorizado pagamento antecipado

O negócio de R$ 33 milhões está sendo investigado por uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembleia Legislativa por suspeita de irregularidades na aquisição
Ex-secretário da Saúde nega ter autorizado pagamento antecipado
Política

À CPI da Alesc, Borba nega qualquer participação na compra dos respiradores

Conforme o ex-titular da Casa Civil, a Secretaria de Estado da Saúde ficou responsável pelas compras dos insumos e equipamentos, sem que houvesse participação da Casa Civil.
À CPI da Alesc, Borba nega qualquer participação na compra dos respiradores
Política

Servidora diz que Zeferino definiu Veigamed como fornecedora dos respiradores

Servidora diz que Zeferino definiu Veigamed como fornecedora dos respiradores
Política

Alexandre de Moraes assume vaga efetiva no TSE

O TSE é composto por sete ministros, sendo três do STF
Alexandre de Moraes assume vaga efetiva no TSE
Ver mais de Política