POLÍTICA

Estudo revela aumento de mortes e agressões a profissionais de imprensa no Brasil

20 Fev 2019 - 12h38Por Felipe Frazão

O relatório anual sobre violações à liberdade de expressão da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), divulgado nesta quarta-feira, 20, mostra um aumento no número de mortes de profissionais de imprensa, após dois anos de queda, e indica que os principais agressores, em 2018, foram militantes partidários e manifestantes. A Abert também ressalta o uso de armas de fogo em atentados contra comunicadores.

Conforme a Abert, em 2018 três radialistas - Jairo Sousa, Jefferson Pureza e Marlon Carvalho - foram assassinados por causa do exercício da profissão em rádios locais do interior do País, após divulgarem informações com críticas e denúncias sobre autoridades e políticos da região em que trabalhavam. Em 2017, houve um assassinato; em 2016, dois. Com oito mortos, o ano de 2015 foi o mais violento na série histórica iniciada em 2012.

"Todos eles assassinados por exercerem o direito de livre opinião e livre cobertura nos seus veículos. Tivemos 86 jornalistas mortos em todo o mundo, em áreas de conflito. O número de três mortos no Brasil é muito alto", disse o presidente da Abert, Paulo Tonet Camargo.

Tonet afirmou que a profissão nunca foi tão relevante com a necessidade de checagem e certificação das informações. "Num mundo de fake news, o remédio para isso é mais jornalismo, mais jornalistas, mais exercício do bom jornalismo", disse Tonet.

Agressões

O documento da Abert sobre 2018 ressalta que houve um aumento de 50% nas agressões não letais contra jornalistas - agressões, atentados, ameaças e ofensas, inclusive por meio digital. Foram 114 casos, ante 76 no ano anterior. Ao todo, 165 profissionais e veículos de comunicações foram alvo.

O número de atentados se manteve estável de 2017 para 2018 - foram três casos. Porém, nas três ocasiões, cinco radialistas foram vítimas do crime. "Armas de fogo foram utilizadas pelos criminosos em todas as ocasiões, numa clara intenção de acabar com a vida dos comunicadores", diz o documento.

A Abert relaciona as agressões ao contexto político do ano de 2018, marcado pela prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado pela Operação Lava Jato, pelas eleições gerais que levaram o presidente Jair Bolsonaro ao Palácio do Planalto e à greve geral dos caminhoneiros. A associação diz que "manifestantes e militantes partidários foram os principais autores da violência contra comunicadores".

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Política

Com absolvição, Moisés volta ao governo de SC

Por 6 votos a 4, o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) foi absolvido da acusação de crime de responsabilidade na compra dos 200 respiradores não entregues pela empresa Veigamed.
Com absolvição, Moisés volta ao governo de SC
Política

Jaraguá do Sul e Guaramirim voltam a tratar da ponte da Zanotti

Prefeitos se reuniram nesta semana e querem definir melhor solução nos próximos 30 dias.
Jaraguá do Sul e Guaramirim voltam a tratar da ponte da Zanotti
Economia

Governo do Estado institui o Auxílio Catarina

Benefício emergencial será destinado a mais de 60 mil famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica no estado
Governo do Estado institui o Auxílio Catarina
Política

Lunelli participa de encontro regional do MDB

Em Jaraguá do Sul, o encontro acontece hoje às 19h
Lunelli participa de encontro regional do MDB
Ver mais de Política