dengue
Política

Em Brasília, governador de SC participa de entrega de carta com pedido de auxílio financeiro aos Estados

“No ano passado, o governo deixou de repassar R$ 50 milhões aos cofres do governo catarinense", diz Carlos Moisés

09 Mai 2019 - 11h05Por Governo do Estado de Santa Catarina

O governador Carlos Moisés participou na manhã de ontem (4), em Brasília, de um encontro com os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, David Alcolumbre, para discutir medidas de socorro financeiro aos Estados. No café da manhã, que teve a presença do presidente da República, Jair Bolsonaro, foi entregue uma carta com seis pontos de reivindicação aos chefes do poder Executivo e Legislativo. A proposta das lideranças estaduais é que a rediscussão do pacto federativo caminhe junto com a aprovação da reforma da previdência. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, acompanhou a reunião e se comprometeu, em um prazo de sete dias, a responder as questões levantadas no documento.

“O apoio à reforma da previdência é no sentido de que o Brasil não tem como sobreviver à crise financeira se não olhar para as futuras gerações. É um ato de responsabilidade. A reforma precisa caminhar com os ajustes que já têm sido discutidos. Além disso, os itens que os governadores entregaram ao ministro Onyx e ao Presidente da República são uma forma de socorrer os Estados do ponto de vista financeiro, e Santa Catarina não é diferente”, declarou o governador.

Entre os pontos da carta está o chamado Plano Mansueto, que trata da recuperação fiscal dos estados. Os governadores também querem mudanças na Lei Kandir, a reestruturação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), a securitização das dívidas dos estados, a renegociação da cessão onerosa do petróleo e a redistribuição do Fundo de Participação dos Estados (FPE), esse último por meio de uma proposta de emenda à Constituição. O encontro teve a presença de 25 dos 27 governadores ou vices.

De acordo dom Moisés, o ministro da Casa Civil sinalizou a possibilidade de os Estados usarem os créditos da Lei Kandir para abater a divida com a União, o que foi bem recebido pelos demais governadores. “No ano passado, o governo deixou de repassar R$ 50 milhões aos cofres do governo catarinense. Desde que a lei foi instituída, nós já deixamos de arrecadar R$ 18 bilhões por conta de não tributarmos as exportações. É muito dinheiro para um orçamento de R$ 25 bilhões. É quase um orçamento anual inteiro”, afirma o governador. A Lei Kandir isenta a cobrança de ICMS de matérias-primas e produtos semi-faturados, como grãos e carnes.

O Plano Mansueto, que será elaborado pela equipe econômica do governo federal, também foi visto como alternativa para os estados com nota acima de C na classificação de risco. Santa Catarina estaria apto a participar do projeto. “Ficamos muito tranquilos porque entendemos que estamos fazendo a nossa parte em Santa Catarina enxugando os gastos públicos. Isso já se reflete nas nossas contas. A despesa com pessoal que estava em 50% já baixou para 47%”, completou.


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp!

Matérias Relacionadas

Política

Joinville recebe sessão itinerante da Assembleia Legislativa

Projeto faz parte do calendário de comemoração dos 190 anos da Alesc.
Joinville recebe sessão itinerante da Assembleia Legislativa
Geral

Senado retoma debate de PEC que pode privatizar praias

Matéria está na CCJ para discussão
Senado retoma debate de PEC que pode privatizar praias
Política

Moraes nega recurso de Bolsonaro contra inelegibilidade

Ex-presidente foi condenado pelo TSE por abuso político e econômico
Moraes nega recurso de Bolsonaro contra inelegibilidade
Política

Lunelli cobra instalação de equipamentos na Escola Professor Lino Floriani

Unidade atende quase 700 estudantes, que aguardam para usar os kits na rotina escolar
Lunelli cobra instalação de equipamentos na Escola Professor Lino Floriani
Ver mais de Política