Joaçaba Pneus
POLÍTICA

Eduardo Bolsonaro diz que Coaf traz desgaste, mas afirma haver exagero

18 Dez 2018 - 14h19Por Adriana Ferraz, André Ítalo Rocha e Daniel Weterman

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente eleito, Jair Bolsonaro, admitiu que o caso envolvendo um ex-assessor do irmão e senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) causa desgaste ao pai, que toma posse como presidente da República em janeiro.

Em entrevista ao Estadão/Broadcast antes da cerimônia de diplomação dos políticos paulistas eleitos, nesta terça-feira, 18, Eduardo Bolsonaro afirmou que há "exagero" na repercussão do assunto e tentou afastar a responsabilidade do pai e do irmão nas movimentações bancárias de assessores.

"Traz (desgaste), mas acredito também que está ocorrendo um certo exagero nessa parte", disse Eduardo, quando questionado sobre o caso identificado pelo Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf). Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio Bolsonaro, vai prestar depoimento ao Ministério Público do Rio nesta quarta-feira, 19.

"As coisas devem ser esclarecidas. Também acho que, pelas nossas condutas e nossas bandeiras, a gente tem que manter independência dos órgãos para poder investigar e na medida do tempo tudo vai ser esclarecido", declarou, acrescentando que qualquer sanção depende da Justiça, e não da família Bolsonaro.

Para Eduardo Bolsonaro, um parlamentar não tem controle sobre todos os atos de seus assessores. "Não tem como controlar a conta dos meus assessores, quiçá dos assessores do meu irmão."

Na sequência, em entrevista coletiva, o deputado federal insistiu na tentativa de afastar a responsabilidade do pai e do irmão nos casos referentes a Queiroz e à filha do ex-assessor, Nathalia Queiroz, que atuou como personal trainer e já esteve lotada nos gabinetes de Flávio e Jair Bolsonaro. "Você está querendo me dizer que tenho de saber o que ele pegou na conta dele? Acho complicado. Nossa parte é não atrapalhar a investigação", disse. "Eu sou Eduardo Bolsonaro, deputado federal eleito por São Paulo. As questões referentes aos gabinetes do Jair e do Flávio Bolsonaro devem ser tratadas com eles", afirmou.

Sem interferência

O deputado federal negou que as negociações para construção da base aliada do novo governo no Congresso tenham sido afetadas pelos casos envolvendo assessores do seu pai e do seu irmão. "Eu não acredito que esteja interferindo. Setenta e cinco por cento das pessoas estão confiantes no futuro do governo Bolsonaro", disse o deputado, em referência a pesquisa feita pelo Ibope e divulgada na semana passada.

Eduardo disse também que seu grupo político não vai fazer "vaquinha" nem alegar perseguição política caso o poder Judiciário diga que alguém ligado ao grupo mereça condenação.

"A oposição, que está com um ex-presidente na cadeia, está tramando costuras políticas para evitar que outros também sejam presos... Isso não vão ver a gente fazendo", afirmou o parlamentar, agora em referência ao PT e ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

"Se o Ministério Público, a Justiça ou quem quer que seja falar que alguém merece condenação, não vamos fazer vaquinha nem passeata dizendo que é perseguição política. Teremos discernimento de responsabilidade de arcar com qualquer coisa que seja", disse.

Matérias Relacionadas

Geral

Organizadores divulgam Festival de Cinema na Câmara 

O Festival conta com mostras competitivas de várias categorias como curta metragem, longa metragem, tanto em documentário quanto ficcional ou animação.
Política

Ida para novo partido está "bastante avançada", diz Bolsonaro

Expectativa é de que o presidente se filie ao Patriota
Ida para novo partido está "bastante avançada", diz Bolsonaro
Política

Começam as obras de recuperação dos acessos a "ponte baixa", em Corupá

Durante a execução dos trabalhos, que durarão aproximadamente 30 dias, o trânsito estará interrompido nos dois sentidos, entre as 8h e às 17h.  
Começam as obras de recuperação dos acessos a "ponte baixa", em Corupá
Política

Por pautas em conjunto, vereadoras do Vale do Itapocu fazem reunião

O objetivo do encontro foi o de aproximar as parlamentares da região em busca de formar um colegiado de vereadoras da Associação de Câmaras de Vereadores do Vale do Itapocu (Avevi) para trocar experiências
Por pautas em conjunto, vereadoras do Vale do Itapocu fazem reunião
Ver mais de Política