vacina
POLÍTICA

Deputado pelo PSL, Coronel Tadeu ataca recriação de ministérios: toma-lá-dá-cá

11 Mai 2019 - 13h06Por Clarissa Oliveira e Mateus Fagundes

Na contramão das manifestações feitas nesta semana pela liderança do PSL na Câmara, o deputado Coronel Tadeu (PSL-SP) afirma que a maioria dos parlamentares da legenda posicionou-se de maneira contrária à recriação dos ministérios das Cidades e da Integração Nacional e afirmou que a medida faz com que fique "declarado o toma-lá-dá-cá" no governo do presidente Jair Bolsonaro. Em entrevista ao Broadcast Político, plataforma de notícias em tempo real do Grupo Estado, ele afirmou que um grupo de parlamentares da sigla levou esse posicionamento ao presidente, em um encontro reservado.

De acordo com o parlamentar, não haveria objeção ao desmembramento de pastas caso houvesse o entendimento de que é de fato necessário desafogar o Ministério do Desenvolvimento Regional do ponto de vista administrativo. No entanto, ele afirmou que a decisão ocorreu em um "momento muito estranho" e em meio a pressões do chamado Centrão por cargos no governo.

"Nesta semana, surgiu a possibilidade de recriação de dois ministérios. Nesse ponto, eu e o PSL fomos contrários a esse tipo de comportamento. Porque fica declarado um toma-lá-dá-cá", afirmou o parlamentar, reconhecendo que houve uma contrapartida em troca de apoio no Congresso, tendo em vista a votação da MP 870 - que trata da reforma administrativa - e da reforma da Previdência. "Essa contrapartida não caiu bem no PSL. Por que isso neste momento? Porque a gente sabe que há uma pressão em relação à Comissão Especial da Previdência", emendou.

"O partido (PSL) está contrário mesmo a essa decisão. Não acho que é o melhor momento para criar um ministério sem a menor necessidade. E por que condicionar isso a outro assunto que não tem nada a ver, que é a reforma da Previdência?", continuou. "Não queremos que transpareça para a população que o presidente Bolsonaro cedeu e agora está disposto a fazer o toma-lá-dá-cá. Isso é horrível para o governo. Aprova-se a Previdência, no entanto a imagem do governo cai em total descrédito. É isso que não queremos."

Armas.

O deputado também comentou a assinatura do decreto que flexibilizou o porte de armas, assinado nesta semana por Bolsonaro. Sobre o entendimento de que haveria pontos inconstitucionais no texto, o parlamentar disse não compartilhar dessa avaliação. Ele apontou como exemplo de um dos "benefícios" trazidos pelo decreto a flexibilização do porte em áreas rurais.

Citando especificamente o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), ele apontou a necessidade de reação a invasões de propriedades em que há depredação do patrimônio. "Isso não vai mais acontecer. Entrou na minha propriedade, então se prepara para eu defender a minha vida, da minha família e a minha propriedade."

Matérias Relacionadas

Política

Obra na SC 108, em Guaramirim, será alvo de avaliação do Tribunal de Contas

TCE/SC faz levantamento em contratos e obras de infraestrutura no Estado que somam R$ 2,9 bilhões
Obra na SC 108, em Guaramirim, será alvo de avaliação do Tribunal de Contas
Política

Lunelli critica burocracia para liberação de recursos aos atingidos pelas enchentes

Parlamentar também destacou a importância da obra de dragagem autorizada pelo governo do Estado em Rio do Sul 
Lunelli critica burocracia para liberação de recursos aos atingidos pelas enchentes
Política

Em Brasília, Caropreso discute canabidiol e segunda língua estrangeira nas escolas

O parlamentar realizou reuniões com senadores e parlamentares para tratar de projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional que tratam do uso medicinal da cannabis e do ensino de segundo idioma estrangeiro nas escolas
Em Brasília, Caropreso discute canabidiol e segunda língua estrangeira nas escolas
Geral

Senado aprova suspensão da dívida do RS com a União por três anos

Estado poderá direcionar R$ 23 bilhões para reconstrução
Senado aprova suspensão da dívida do RS com a União por três anos
Ver mais de Política