POLÍTICA

Deputadas querem proibir 'bancada da bala' de portar arma no plenário da Alesp

26 Mar 2019 - 18h43Por Fabio Leite e Pedro Venceslau

Deputadas de diferentes partidos da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) se uniram para tentar proibir o porte de armas por parlamentares dentro do plenário da Casa. A polêmica veio à tona logo na primeira sessão da nova legislatura, no dia 15, quando o deputado agente federal Danilo Balas (PSL) foi flagrado armado por colegas durante a acalorada eleição da Mesa Diretora.

Uma das parlamentares que se disse constrangida com a cena foi a deputada Mônica da Bancada Ativista (PSOL), que apresentou depois do episódio um projeto de resolução para proibir o porte dentro do plenário. Hoje, o regime interno da Alesp só proíbe a entrada de espectadores armados nas galerias do plenário.

Com renovação de 55%, a nova legislatura ampliou para 13 o número de deputados ligados à segurança pública, a chamada "bancada da bala". Destes, segundo os deputados, alguns circulam armados pelos corredores da Casa, mas só Danilo Balas foi visto armado no plenário, cujo acesso é controlado por policiais militares.

"Compreendo que eles têm o porte de armas como parte de sua profissão de origem. Mas aqui no plenário constrange e inibe o debate. Imagina se fosse eu (na eleição da Mesa Diretora), peitando no lugar dos parlamentares do PT os policiais do PSL. É muito assustador", disse Mônica, que já havia reclamado do porte de armas durante discurso no plenário na semana passada.

A queixa teve adesão de outras colegas de Casa. A deputada Marina Helou (Rede) defendeu a proibição do porte no plenário na reunião do Colégio de Líderes e propôs a criação de uma comissão para fazer alterações no regimento interno da Assembleia. "Hoje só é proibido na galeria, não há nenhuma proibição expressa no plenário", afirmou.

A líder do PSDB, deputada Carla Morando, também se manifestou à favor da proibição. "A Assembleia é um lugar seguro. Não há necessidade dos deputados estarem armados. Isso causa constrangimento ao restante dos deputados", afirmou a tucana. A medida também tem apoio da bancada do PT. "Plenário não é lugar para armas, mas para o debate de ideias", disse o petista Paulo Fiorilo.

Até deputados que detêm o porte de armas, como delegado Bruno Lima (PSL), acham desnecessário entrar armado em plenário. "Acho que o policiamento da Casa é suficiente para garantir nossa integridade no plenário. Eu deixo minha arma no gabinete", afirmou Lima. O parlamentar, por outro lado, defende maior controle no acesso de visitantes ao prédio da Alesp.

'Esse é o Legislativo mais inseguro do País'

Esse é o argumento usado pelo deputado Danilo Balas (PSL) para entrar armado no plenário. Agente da Polícia Federal há 14 anos, ele disse já ter sido ameaçado inúmeras vezes e que não se sente seguro dentro da Assembleia por causa da falta de controle de segurança na entrada do Palácio 9 de Julho. "Esse é o Legislativo mais inseguro do País. Meu pleito é para que instalem detectores de metais na entrada, porque por causa da minha atuação sofro muitas ameaçadas", disse.

A reportagem conversou com Danilo Balas na tarde desta terça-feira, 26, na entrada do plenário, enquanto ele aguardava ser chamado para discursar na tribuna. O parlamentar não quis dizer se estava armado no momento, mas afirmou que se houver uma determinação proibindo o porte no plenário irá cumprir a norma.

"Sou um cumpridor da lei. Até por isso jamais sacaria minha arma durante um debate no plenário. Já troquei tiros em um assalto a banco, em uma interceptação de avião com drogas. Meu limite já foi testado ao extremo, não seria um debate acalorado que me faria usar a arma", disse Balas.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Política

Com absolvição, Moisés volta ao governo de SC

Por 6 votos a 4, o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) foi absolvido da acusação de crime de responsabilidade na compra dos 200 respiradores não entregues pela empresa Veigamed.
Com absolvição, Moisés volta ao governo de SC
Política

Jaraguá do Sul e Guaramirim voltam a tratar da ponte da Zanotti

Prefeitos se reuniram nesta semana e querem definir melhor solução nos próximos 30 dias.
Jaraguá do Sul e Guaramirim voltam a tratar da ponte da Zanotti
Economia

Governo do Estado institui o Auxílio Catarina

Benefício emergencial será destinado a mais de 60 mil famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica no estado
Governo do Estado institui o Auxílio Catarina
Política

Lunelli participa de encontro regional do MDB

Em Jaraguá do Sul, o encontro acontece hoje às 19h
Lunelli participa de encontro regional do MDB
Ver mais de Política