Joaçaba Pneus
POLÍTICA

Decisão de Marco Aurélio leva manifestantes à Praça dos Três Poderes

19 Dez 2018 - 18h55Por Rafael Moraes Moura e Amanda Pupo

A decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), de suspender a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância - e abrir caminho para a liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) - levou nesta quarta-feira, 19, dezenas de manifestantes à Praça dos Três Poderes, em Brasília, reacendendo a disputa política que marcou a última campanha presidencial.

De um lado, simpatizantes do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), vestiram camisas em verde e amarelo, carregaram faixas e cartazes para protestar contra o Supremo Tribunal Federal e pediram o impeachment de Marco Aurélio Mello. "Ô Marco Aurélio, pode esperar, a sua hora vai chegar", gritaram.

Em menor número, militantes do Partido dos Trabalhadores levaram faixas pedindo a liberdade de Lula, considerado "preso político" pelos simpatizantes do ex-presidente. "Cadê o Queiroz?", respondiam os petistas às provocações do outro lado, em referência a Fabrício José Carlos de Queiroz, ex-motorista e ex-assessor do deputado estadual Flavio Bolsonaro (PSL). Conforme revelou o jornal O Estado de S. Paulo, um relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) apontou que Queiroz movimentou mais de R$ 1,2 milhão em uma conta bancária no período de 1 de janeiro de 2016 a 31 de janeiro de 2017.

Por volta das 18h, a Polícia Militar do Distrito Federal estimava um número de 150 manifestantes contrários à decisão de Marco Aurélio e à liberdade do ex-presidente Lula, enquanto outras 40 pessoas pediam a soltura do petista. Uma barreira de policiais dividiu a praça para evitar agressões entre os dois lados.

"Diabo"

A professora Demiane Cruz soube da decisão de Marco Aurélio pelo Twitter e, indignada, decidiu protestar na frente do STF. "Estou indignada, é inacreditável. Não temos paz nem antes do Natal, somos obrigados a ir à rua", afirmou, carregando uma faixa escrita "O diabo veste toga".

"Com essa canetada do ministro, os criminosos estão livres, leves e soltos. Defendo a vinda do cabo e do soldado para fecharem o STF", completou Demiane.

Na avaliação da aposentada Vânia Diniz, o episódio é uma "palhaçada". "É um desrespeito e um absurdo que isso seja decidido no último dia antes do recesso. É uma vergonha", criticou.

Do outro lado, a servidora pública Cláudia Lima, elogiou a decisão do ministro Marco Aurélio. "Lula é um sequestrado político", disse. O bombeiro Pedro Rodrigues concordou. "É uma decisão coerente, equilibrada. Defender o impeachment de ministro do Supremo é uma postura autoritária, fascista", avaliou.

Matérias Relacionadas

Geral

Organizadores divulgam Festival de Cinema na Câmara 

O Festival conta com mostras competitivas de várias categorias como curta metragem, longa metragem, tanto em documentário quanto ficcional ou animação.
Política

Ida para novo partido está "bastante avançada", diz Bolsonaro

Expectativa é de que o presidente se filie ao Patriota
Ida para novo partido está "bastante avançada", diz Bolsonaro
Política

Começam as obras de recuperação dos acessos a "ponte baixa", em Corupá

Durante a execução dos trabalhos, que durarão aproximadamente 30 dias, o trânsito estará interrompido nos dois sentidos, entre as 8h e às 17h.  
Começam as obras de recuperação dos acessos a "ponte baixa", em Corupá
Política

Por pautas em conjunto, vereadoras do Vale do Itapocu fazem reunião

O objetivo do encontro foi o de aproximar as parlamentares da região em busca de formar um colegiado de vereadoras da Associação de Câmaras de Vereadores do Vale do Itapocu (Avevi) para trocar experiências
Por pautas em conjunto, vereadoras do Vale do Itapocu fazem reunião
Ver mais de Política