transito
POLÍTICA

Comissão aprova MP da AGU após oposição tentar mexer na medida e adiar votação

14 Mai 2019 - 17h36Por Daniel Weterman

O governo conseguiu tirar da fila de comissões do Congresso uma medida provisória sobre gratificações da Advocacia-Geral da União (AGU), que perde a validade no dia 3 de junho se não for votada pelos deputados e senadores. O texto ainda precisa ser analisado pelos plenários da Câmara e do Senado e, no cálculo de parlamentares, tinha esta terça-feira, 14, como prazo limite de votação no colegiado.

A oposição tentou alterar a medida e ameaçou pedir vista para barrar a votação da proposta, mas não teve sucesso. A MP aprovada na comissão prorroga até 4 de dezembro de 2020 o pagamento de gratificação de servidores ou empregados requisitados pela AGU. Além disso, autoriza a AGU e a Defensoria Pública da União (DPU) a representar integrantes da Força Nacional de Segurança Pública que venham a ser investigados ou processados em função de suas atuações.

Antes da votação, servidores da DPU levaram ao colegiado uma proposta de manter no órgão funcionários que foram cedidos por outros. O argumento usado era que a Casa Civil não estava recebendo a DPU para discutir o tema e que era preciso incluir o item no parecer do relator. O relator da proposta, senador Telmário Mota (PROS-RR), se recusou a alterar o texto afirmando que o tema sobre a DPU era estranho ao assunto da MP, que tratava de gratificações da Advocacia-Geral da República, além de gerar despesas para o governo. "Eu vou meter jabuti aqui dentro para amanhã ser desmoralizado?", questionou. "Se a gente não votar essa emenda hoje, amanhã já cai", declarou.

O relator disse ainda que, atender à demanda da Defensoria Pública - órgão que tem como atribuição defender pessoas sem condições financeiras -, inviabilizaria a aprovação de gratificações para a AGU, órgão que defende a União em processos judiciais. "Eu não acredito que o defensor do pobre quer acabar com o defensor da coisa pública", declarou Mota.

O movimento preocupou o presidente da comissão, deputado Mauro Benevides Filho (PDT-CE), que chamou atenção para o prazo de validade da emenda e declarou, em uma roda de conversa, que não gostaria de quebrar a confiança do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e não votar a matéria. Para barrar o movimento da oposição, parlamentares governistas se comprometeram a negociar com o Planalto a edição de uma nova medida provisória específica sobre a Defensoria.

Condição

A oposição chegou a colocar a inclusão da proposta da DPU no relatório como condição para não pedir vista na comissão, o que travaria a votação da matéria. O deputado Paulo Teixeira (PT-SP) afirmou ainda que, se a alteração não fosse feita no relatório, não haveria base regimental para inserir a modificação no plenário da Câmara. "Ninguém quer prejudicar a AGU. Não queremos caducar essa MP nem tão pouco adiar", declarou o deputado. Ele propôs suspender a sessão até que o governo ofereça uma resposta à proposta da DPU.

Parlamentares governistas criticaram o movimento da oposição afirmando que o assunto era estranho ao tema da medida provisória. A senadora Juíza Selma (PSL-SP) argumentou que a proposta poderia representar aumento de despesa, o que a legislação não autoriza a fazer por emenda parlamentar. A deputada Bia Kicis (PSL-DF) falou em "trabalhar" para que a DPU seja valorizada por meio da aprovação de um projeto que já está na Câmara e criticou a inclusão de uma "gambiarra" na MP.

Matérias Relacionadas

Política

Governo do Estado autoriza contratação do Plano Estadual de Logística de Transporte

O deputado estadual Antídio Lunelli, que também preside a Comissão de Transportes e Desenvolvimento Urbano da ALESC, esteve no evento, parabenizou o governo pela iniciativa e disse que a medida é essencial para desafogar
Governo do Estado autoriza contratação do Plano Estadual de Logística de Transporte
Política

STF extingue condenação por corrupção imposta a Dirceu na Lava Jato

De acordo com a decisão, o delito estava prescrito na data do recebimento da denúncia, o que invalida a condenação.
STF extingue condenação por corrupção imposta a Dirceu na Lava Jato
Política

Por unanimidade, TSE rejeita cassação de mandato de Sergio Moro

Para ministros, não há prova de uso irregular de recurso partidário
Por unanimidade, TSE rejeita cassação de mandato de Sergio Moro
Política

Prefeito e vice de São João do Itaperiú são denunciados pelo Ministério Público

Ambos foram presos na 5ª fase da Operação Mensageiro
Prefeito e vice de São João do Itaperiú são denunciados pelo Ministério Público
Ver mais de Política