Dia internacional das Mulheres
POLÍTICA

Centrão faz coro a Rodrigo Maia e ameaça com rebelião

23 Mar 2019 - 08h38Por Renato Onofre, Camila Turtelli e Mariana Haubert

As críticas do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), à articulação política do governo para a votação da reforma da Previdência ganhou o apoio de líderes do Centrão, que já estavam irritados com o Palácio do Planalto. Deputados disseram ontem que vão recusar a oferta de cargos nos Estados e preparam novas derrotas para o Executivo semana que vem.

Nessa linha, o primeiro enfrentamento deve acontecer na próxima terça-feira, durante sabatina do ministro da Economia, Paulo Guedes, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. Deputados do bloco encabeçado por PP, PR, PTB e PRB avisaram a representantes do governo na Casa que pretendem abandonar a sessão, abrindo espaço para a oposição sabatinar o ministro responsável pela proposta da reforma da Previdência.

Parlamentares também buscam apoio para derrubar a isenção de visto para americanos, anunciada nesta semana pelo presidente Jair Bolsonaro durante viagem a Washington. A ideia ganhou força durante a semana e chegou a ser levada a Maia. Ele, no entanto, pediu aos deputados para esperarem alguns dias para que o clima pesado visto no Congresso pudesse diminuir, o que não ocorreu.

A gota d'água, segundo parlamentares, foi a declaração de Bolsonaro em uma live direto do Chile, em que atribuiu a prisão de Michel Temer à "sintonia fina" que o ex-presidente mantinha com o Congresso.

O deputado Domingos Neto (PSD) resumiu a insatisfação ao afirmar que o governo não pode ter uma atitude nas redes sociais e outra ao sentar para conversar. "As negociações estão paralisadas. Enquanto o governo não mudar a forma de articular, não há acordo", afirmou.

Em um movimento orquestrado, coordenadores das bancadas regionais comunicaram a suspensão das negociações por cargos no governo. As conversas vinham se arrastando nas últimas duas semanas. "Toda a bancada está pronta para ajudar o governo, mas o governo precisa se ajudar, porque está muito bagunçado. Hoje, no Congresso, é preocupante a situação que está a interlocução", disse Neri Geller (PP-MT).

Reação

Articuladores políticos do governo tentavam atuar como "bombeiros" na crise. O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, buscou deputados do PSL para organizar o discurso. Já a líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), tentou apaziguar o clima ruim entre Maia e o governo. "Nós estamos em um ponto de reatar a relação", disse ela, após se encontrar com o presidente da Câmara. Joice e Onyx buscam agendar um encontro entre Maia e Bolsonaro para este fim de semana.

Maia deixou claro a sua insatisfação com o comportamento nas redes sociais de pessoas ligadas ao presidente. Entre elas, o filho Carlos Bolsonaro e o assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Filipe Martins, que postaram declarações contra a "velha política".

Até mesmo o filho mais velho do presidente, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-SP), entrou no circuito para apaziguar os ânimos. Pelo Twitter, fez um aceno a Maia. "O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, é fundamental na articulação para aprovar a Nova Previdência e projetos de combate ao crime. Assim como nós, está engajado em fazer o Brasil dar certo!". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Covid-19: Lunelli busca estratégia conjunta com municípios do Norte de SC

Prefeito de Jaraguá do Sul conversou com representantes da Amunesc e Amvali 
Covid-19: Lunelli busca estratégia conjunta com municípios do Norte de SC
Política

Jaraguá abriu 542 empresas em dois meses

Prefeitura atribui os bons resultados ao trabalho de desburocratização dos processos que vem sendo feito desde 2017
Jaraguá abriu 542 empresas em dois meses
Saúde

PEV de Jaraguá terá atendimento suspenso neste sábado 

Medida atende determinação do Governo do Estado que suspendeu o funcionamento de serviços não essenciais no fim de semana
PEV de Jaraguá terá atendimento suspenso neste sábado 
Saúde

Veja quais são os serviços que não podem operar no fim de semana em SC

Medida tem objetivo de desacelerar a curva de contágio da covid-19 em um momento de alta taxa de ocupação dos leitos clínicos e de UTI no Estado. 
Veja quais são os serviços que não podem operar no fim de semana em SC
Ver mais de Política