Dia internacional das Mulheres
POLÍTICA

Associação de procuradores defende força-tarefa da Lava Jato

13 Mar 2019 - 21h38Por Breno Pires

A Associação Nacional de Procuradores da República (ANPR) publicou uma nota em defesa da atuação de procuradores da força-tarefa da Lava Jato, após a Procuradoria-Geral da República (PGR) apresentar uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) questionando o acordo firmado pelos procuradores e a Petrobras, que prevê criação de um fundo de R$ 2,5 bilhões.

"Por sua atuação irrepreensível e pelos altos serviços prestados ao país, é reprovável qualquer tentativa de enfraquecimento institucional da Força-Tarefa e do Ministério Público Brasileiro", afirmou a entidade na nota, assinada pela diretoria da ANPR.

A nota não tem relação com as críticas do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF) a procuradores, feitas em sessão do plenário, nesta quarta-feira, 13.

A diretoria da ANPR afirma que se criou um "impasse" sobre o destino dos recursos e isso pode significar a "devolução dos recursos". Segundo o texto, a União não é "destinatário legítimo da multa que lhe foi imposta".

"Afirmar ainda que os valores deveriam ser destinados à União ou a Petrobras é equivocado. Afinal, como aponta o acordo com a SEC, a Petrobras foi considerada responsável por falhar em detectar e expor os esquemas de corrupção e por prestar informações falsas aos órgãos americanos", diz a associação.

O órgão lembra que os valores seriam aplicados, principalmente, na prevenção da corrupção, em cidadania, em saúde e em educação.

O texto critica o procedimento adotado pela procuradora-geral, Raquel Dodge, a Ação de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF). "Não é normal nem ordinário uma matéria de primeira instância do Ministério Público ser levada ao STF pela Procuradora-Geral da República", disse. Para a associação, a ação é um "precedente negativo que qualquer Termo de Ajustamento de Conduta ou Acordo Judicial possa ser centralizado pela PGR, levado diretamente ao STF, violando a independência funcional e ignorando o rito jurídico ordinário".

"A argumentação genérica utilizada pela PGR acerca dos atos sujeitos à ADPF permitiria que qualquer ato do Ministério Público, em qualquer grau de jurisdição, ou quem sabe, do Presidente da República, ou do Congresso Nacional, de Assembleias Legislativas e Câmaras de Vereadores fosse passível de controle por esse instrumento", diz a nota da ANPR.

Houve também "excesso" da PGR, segundo a nota.

"A cronologia demonstra o excesso da ação. A ADPF foi apresentada pela PGR depois de os procuradores naturais do caso terem anunciado, duas horas antes, publicamente, que reavaliariam, conjuntamente com o Executivo e o Legislativo, a questão. A ADPF apresentada pela PGR nasce prejudicada e se configura desnecessária tanto do ponto de vista jurídico quanto institucional", diz a nota.

A nota da ANPR também defende os propósitos do acordo firmado entre a força-tarefa da Lava Jato e a Petrobras e negou que procuradores iriam administrar o fundo bilionário.

"Não seriam os membros da força-tarefa que iriam gerir os recursos, já que a fundação tem personalidade própria. O fato do acordo prever a possibilidade de integrantes do MPF terem uma vaga no conselho curador, por óbvio, não basta a igualá-los à condição de gestor dos recursos, ao contrário do afirmado pela PGR", disse.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Covid-19: Lunelli busca estratégia conjunta com municípios do Norte de SC

Prefeito de Jaraguá do Sul conversou com representantes da Amunesc e Amvali 
Covid-19: Lunelli busca estratégia conjunta com municípios do Norte de SC
Política

Jaraguá abriu 542 empresas em dois meses

Prefeitura atribui os bons resultados ao trabalho de desburocratização dos processos que vem sendo feito desde 2017
Jaraguá abriu 542 empresas em dois meses
Saúde

PEV de Jaraguá terá atendimento suspenso neste sábado 

Medida atende determinação do Governo do Estado que suspendeu o funcionamento de serviços não essenciais no fim de semana
PEV de Jaraguá terá atendimento suspenso neste sábado 
Saúde

Veja quais são os serviços que não podem operar no fim de semana em SC

Medida tem objetivo de desacelerar a curva de contágio da covid-19 em um momento de alta taxa de ocupação dos leitos clínicos e de UTI no Estado. 
Veja quais são os serviços que não podem operar no fim de semana em SC
Ver mais de Política