POLÍTICA

'A solução para o crime não pode ser abrir as portas da prisão', diz Moro

16 Mai 2019 - 12h49Por Fausto Macedo e Luiz Vassallo

O ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) defendeu o endurecimento no combate ao crime violento. Em sua conta no Twitter ele escreveu que "a solução não pode ser a impunidade de quem viola a lei, mata, rouba propriedade privada ou desvia dinheiro público".

Moro voltou a defender enfaticamente seu projeto anticrime e a persistência no ataque às organizações criminosas. "Não se pode ser leniente com crimes violentos, crime organizado ou com corrupção. Esse é o espírito do projeto de lei anticrime."

Moro rechaçou com veemência os críticos de seu projeto, que defendem um sistema carcerário menos rígido. Ele fez uma comparação sobre gastos do Tesouro com presos e criminosos em liberdade.

"Ouço muito que prender custa caro. Que o preso custa muito para o Estado. É verdade, mas quanto custa um criminoso perigoso solto?" Ele recomenda: "a solução para o crime não pode ser abrir as portas da prisão em um sistema já leniente. O raciocínio não fecha."

Moro destacou que lideranças de organizações criminosas armadas estão começando a cumprir pena em presídios federais de segurança máxima. O ministro ressaltou que "um dos objetos do projeto anticrime é retirar de circulação, com o devido processo, o criminoso perigoso".

"Criminosos habituais, reincidentes e condenados por crimes graves como corrupção ou roubo com arma de fogo começarão a cumprir pena em regime fechado."

O ministro classifica as sugestões como "medidas simples e eficazes contra o crime". "Enfrentar a criminalidade demanda políticas variadas, como sociais e urbanísticas. Restaurar, por exemplo, vizinhanças degradadas tem relevância. Mas tirar o criminoso perigoso de circulação é também importante."

O ex-juiz argumenta: "membros de grupos criminosos organizados só podem obter benefícios durante o cumprimento da pena, como progressão de regime, se saírem da organização."

O ministro prega que "condenado por crime hediondo com morte tem que cumprir pelo menos três quintos da pena em regime fechado antes de pleitear regime menos rigoroso e só se for constatado que está apto a voltar ao convívio social"."Acaba com as 'saidinhas' para condenados por crimes hediondos", diz.

Matérias Relacionadas

Política

Presidente da Câmara de Jaraguá rebate críticas sobre a folga no carnaval

Presidente da Câmara de Jaraguá rebate críticas sobre a folga no carnaval
Política

Vice-presidente da República faz palestra na FIESC

Hamilton Mourão conversa com empresários nesta sexta-feira, dia 28, às 10h30, na sede da entidade, em Florianópolis. Encontro marca o início das comemorações dos 70 anos da Federação. Credenciamento para profissionais de imprensa já está aberto.
Vice-presidente da República faz palestra na FIESC
Eleições

Mulheres são maioria no eleitorado em SC e celebram 88 anos da conquista do direito ao voto

Dos 295 municípios catarinenses 148 têm as mulheres como maioria do eleitorado. Destaque para Balneário Camboriú com 48.262 eleitoras, o que equivale a 54,35%, o maior índice entre as cidades do Estado.
Mulheres são maioria no eleitorado em SC e celebram 88 anos da conquista do direito ao voto
Trânsito

Resultado do leilão da BR-101 Sul é positivo para SC, avalia FIESC

Com deságio de 62% e valor de R$ 1,97 por praça de pedágio, Grupo CCR foi o vencedor do certame realizado nesta sexta-feira (21). Para Federação, SC terá rodovia mais segura e melhoria na mobilidade
Ver mais de Política