acidente de trânsito

Corpos de vítimas de acidente em Corupá serão sepultados na tarde de hoje

23 Nov 2015 - 12h53
Os corpos chegaram ao ginásio de esportes do bairro Schroeder I, durante a madrugada, sendo que o velório começou às 6h30.

A cerimônia de despedida está programada para começar às 17h e a previsão é que às 18h30 comece o cortejo até o cemitério do Centro da cidade. Os corpos do casal Gilberto da Silva Fogaça, 48 anos e Lucineia de Camargo Caporello Fogaça, 40 anos; da filha Eduarda Caporello Fogaça, e do irmão de Gilberto, Douglas da Silva, de 23 anos, chegaram na funerária Leier, em Jaraguá do Sul, por volta da meia noite de domingo, vindos do IML de Joinville. A preparação foi bastante complexa, segundo um funcionário da empresa.

A família havia saído de Schroeder, no começo da manhã de domingo, em direção à Mafra, onde iriam apresentar para um tio, a filha Eduarda, que completaria um mês, ontem.

Eles viajavam num Cross Fox, com placas de Guaramirim, quando foram atingidos por um ônibus de turismo, que vinha desgovernado pela contramão, descendo a Serra do Mar, no km 94 da BR 280, no trecho conhecido como curva do britador, em Corupá.

Além dos quatro moradores de Schroeder, morreu no acidente a passageira do ônibus, Izênia Fermino, de 60 anos, residente em Capivari de Baixo. O ônibus vinha de Foz do Iguaçu, com destino ao Sul do Estado, com turistas que haviam ido fazer compras no Paraguai.

Bombeiros de vários municípios da região e equipes do Samu, com apoio dos helicópteros Águia 01 da Polícia Militar e Arcanjo dos bombeiros militares de Blumenau auxiliaram no resgate e transporte dos feridos, numa operação que durou mais de cinco horas. Por volta das 13h, os veículos foram retirados da ribanceira. O automóvel ficou ao lado da pista e o ônibus a aproximadamente 20 metros, barranco abaixo. Os feridos foram levados para os hospitais São José de Jaraguá do Sul e de Joinville. No pronto atendimento de Corupá foram atendidos passageiros com ferimentos leves. Um dos casos mais graves era do motorista do ônibus, que ficou preso nas ferragens. O ônibus atingiu o carro de lado e, de acordo com relatos de testemunhas, se não atingisse o automóvel, iria sair da pista logo em seguida, já que o motorista não tinha mais o controle da direção.

O chefe dos bombeiros voluntários de Corupá, José Carlos Clementino, contou que foi ele quem chegou primeiro no veículo onde estavam os quatro mortos.

Matérias Relacionadas

Região

Patrimônio cultural do Rio da Luz será tema de fórum nesta quarta

O objetivo do fórum é ampliar o espaço de fala e escuta sobre os instrumentos de proteção aos patrimônios culturais e divulgar as ações desenvolvidas na região entre 2018 e 2020
Patrimônio cultural do Rio da Luz será tema de fórum nesta quarta
Ver mais de Região