INTERNACIONAL

Venezuela/Guaidó: 80% das forças armadas do país rejeitam Maduro

23 Fev 2019 - 23h57Por AE

O presidente autodeclarado da Venezuela, Juan Guaidó, o presidente da Colômbia, Iván Duque, e o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, deram declarações há pouco à imprensa reunida em Cúcuta, Colômbia, na fronteira com a Venezuela. Guaidó reforçou a importância de mais de 60 militares desertores o reconhecerem como presidente da Venezuela e disse que 80% das forças armadas do país rejeitam Nicolás Maduro. "Os senhores das forças armadas não devem lealdade a quem queima comida na frente de famintos e medicamentos na frente de pacientes. Guardas do exército (venezuelano) que têm mães enfermas e filhos em colégios sem comida, vocês não devem nenhum tipo de lealdade a Maduro", afirmou Guaidó.

Ele ressaltou que se reunirá nesta segunda-feira com chanceleres dos diversos países que integram o Grupo de Lima e que também o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, estará presente.

Por sua vez, o secretário-geral da OEA, Luis Almagro, fez duras críticas ao regime de Maduro. Disse que "a intenção (do governo venezuelano) é "assassinar pessoas desarmadas". "Esse regime é usurpador e é preciso iniciar o diálogo para levar ajuda a pacientes renais e com deficiências crônicas. É uma baixeza ética queimar caminhões com ajuda humanitária", afirmou Almagro. O secretário-geral da OEA afirmou ainda que, diante de 285 feridos quando se tentava dar ajuda humanitária, a comunidade internacional deve ser dura com o governo venezuelano.

Duque, da Colômbia, reforçou o "sentimento de unidade" dos líderes de países da região reunidos neste sábado em Cúcuta - estiveram presentes no local, também, o presidente chileno, Sebastián Piñera, e o do Paraguai, Mario Abdo Benítez, segundo o líder colombiano. "Vários presidentes se reuniram hoje na Colômbia, para mostrar que a diplomacia é mais poderosa que qualquer ameaça", afirmou ele. Duque reforçou que os líderes do Grupo de Lima debaterão na segunda-feira em Bogotá as ocorrências deste sábado. "Vamos discutir o fim da repressão de Maduro na Venezuela e de que forma pôr fim à violência pela diplomacia", afirmou.

Momentos antes do encontro com a imprensa, a Globonews informou que a guarda colombiana na fronteira passou a impedir a passagem de manifestantes oposicionistas para a Venezuela, a fim de conter o confronto com os soldados de Maduro. Os oposicionistas, até então, vinham passando pela área colombiana até se aproximar de soldados venezuelanos para atacá-los com bombas caseiras. Com o fechamento da passagem, a situação no local era mais tranquila. (Clarice Couto - Clarice.couto@estadao.com)

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Dólar fecha praticamente estável a R$ 5,60

Bolsa encerra segunda-feira com pequena alta
Esportes

Flamengo é campeão brasileiro

Rubro-Negro perde de 2 a 1, mas garante oitavo título da história
Flamengo é campeão brasileiro
Economia

Lucro da Weg cresce 48,5% no 4º trimestre, para R$ 742,2 milhões

No ano, o lucro chegou a R$ 2,340 bilhões, avanço de 45% ante o ano anterior
Lucro da Weg cresce 48,5% no 4º trimestre, para R$ 742,2 milhões
Economia

Bolsonaro sanciona projeto que dá autonomia ao Banco Central

Medida prevê mandatos para dirigentes do órgão
Bolsonaro sanciona projeto que dá autonomia ao Banco Central
Ver mais de Mundo