Dia internacional das Mulheres
INTERNACIONAL

Trump exige que UE julgue jihadistas

18 Fev 2019 - 10h55

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou neste domingo, 17, que solicitou aos países da Europa que recebam mais de 800 combatentes do Estado Islâmico capturados na Síria e os levem a julgamento em seu território. Os jihadistas europeus foram capturados durante operações americanas.

"O califado está pronto para cair", afirmou Trump no Twitter. "Fazemos muito e gastamos muito. E hora de outros darem um passo adiante e fazerem o trabalho." Se os europeus não assumirem os jihadistas, o presidente americano sugeriu que pode libertá-los.

Em resposta a Trump, o ministro da Justiça da Bélgica, Koen Greens, defendeu uma "solução europeia" para a repatriação dos jihadistas. O melhor a se fazer, segundo ele, é encontrar uma solução que tenha o maior apoio possível com o menor dos riscos.

Greens não entrou em detalhes sobre a solução e afirmou apenas que é preciso descartar a possibilidade de uma simples libertação dos prisioneiros na Síria, entre os quais estimou haver um número "muito limitado" de belgas. Segundo os americanos, a maioria dos jihadistas do EI capturados vem de Reino Unido, Alemanha e França.

Na sexta-feira, Trump disse que, em um prazo de 24 horas, faria um "grande anúncio" sobre a Síria e a luta contra o Estado Islâmico. Na mesma sequência de mensagens no Twitter neste domingo, o presidente americano afirmou que os EUA estavam se retirando da Síria após uma vitória de "100% sobre o califado". No entanto, vários comandantes de seu Exército e da aliança internacional que estão em combate disseram que as afirmações não representavam a realidade no terreno.

Os últimos jihadistas lutavam neste domingo na cidade de Al-Baguz, na margem oriental do Rio Eufrates, em sua passagem pela Província de Deir ez Zor, perto da fronteira iraquiana. Além disso, o EI ainda tem presença em algumas zonas desérticas da Síria. Por isso, Al-Baguz é considerado o último enclave do chamado "califado", que os jihadistas proclamaram em meados de 2014, na Síria e no Iraque.

Moderação

Ainda no domingo, o enviado especial dos EUA à Síria afirmou que os americanos não farão uma retirada abrupta de suas tropas e consultarão aliados sobre o assunto.

"Temos dito a eles (aliados) continuamente que isso não será uma retirada abrupta e rápida, mas uma retirada passo a passo", afirmou James Franklin Jeffrey, durante a Conferência de Segurança de Munique, ao falar sobre as preocupações dos aliados sobre a decisão dos EUA de retirar 2 mil soldados da Síria, anunciada por Trump em dezembro.

No fim de semana, a aliança militar liderada pelos curdos, as Forças da Síria Democrática (FDS), afirmou que a luta contra o EI terminará em "questão de dias". Segundo a FDS, a única coisa que impede a declaração de vitória é a libertação dos prisioneiros retidos pelo grupo.

A aliança organizou uma reunião entre representantes regionais, conselhos e instituições militares para discutir a fase final da ofensiva e a estratégia posterior à derrota "militar do califado". A aliança deixou claro que a luta não estará encerrada enquanto todos os prisioneiros não forem liberados. (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Dólar chega a R$ 5,55, mas fecha estável com notícias do exterior

Bolsa de valores sobe 1,35% e volta a superar os 112 mil pontos
Saúde

Senado aprova MP que autoriza crédito de R$ 2,5 bi para Covax Facility

A estimativa é que o Brasil obtenha 10,6 milhões de doses
Saúde

Pesquisadores desenvolvem máscara que inativa coronavírus

A ação do equipamento é devida à presença de um nanofilme de quitosana, na camada intermediária da máscara, substância derivada da casca do camarão
Saúde

Biden determina que estados priorizem vacinação de professores

Pediu ainda que os estados apliquem pelo menos uma dose de imunizante em cada educador até o fim de março.
Ver mais de Mundo