Joaçaba Pneus
INTERNACIONAL

Tribunal confirma sentença que decreta prisão preventiva de Cristina Kirchner

20 Dez 2018 - 17h54

A Câmara Federal de Buenos Aires confirmou nesta quinta-feira uma sentença assinada em setembro para prender preventivamente a senadora e ex-presidente argentina Cristina Kirchner, acusada de ter recebido milhões em propinas em troca de favorecimentos na construção de obras públicas. O tribunal deu aval à decisão tomada em setembro pelo juiz federal Claudio Bonadío, que coloca a ex-presidente como chefe de uma associação ilícita. O ex-ministro Julio de Vido também é acusado de ser organizador do esquema de pagamento de propinas.

Desde que o escândalo foi revelado, no início de agosto, dezenas de importantes empresários e ex-funcionários do governo argentino foram processados e alguns, em delação premiada, apontaram para a existência do esquema de recebimento de propinas que ficou conhecido como "cadernos da corrupção".

Com a medida aprovada pela Câmara Federal de Buenos Aires, Bonadío tem o aval necessário para pedir ao Senado que retire o foro privilegiado da ex-presidente, com a finalidade de que o mandato de prisão preventiva seja cumprida. Fonte: Associated Press.

Matérias Relacionadas

Saúde

G7 promete doar 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 até 2022

Compromisso consta em documento final da reunião de líderes do grupo
G7 promete doar 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 até 2022
Esportes

Brasil abre Copa América com boa vitória sobre a Venezuela

Seleção faz 3 a 0 com gols de Marquinhos, Neymar e Gabriel Barbosa
Brasil abre Copa América com boa vitória sobre a Venezuela
Saúde

Anvisa autoriza vacina da Pfizer para crianças a partir de 12 anos

Estudos foram desenvolvidos fora do Brasil e avaliados pela agência
Anvisa autoriza vacina da Pfizer para crianças a partir de 12 anos
Esportes

Em nota, jogadores da seleção criticam Copa América, mas negam boicote

Texto foi publicado nas redes sociais após vitória contra o Paraguai
Em nota, jogadores da seleção criticam Copa América, mas negam boicote
Ver mais de Mundo