INTERNACIONAL

Senado dos EUA aprova reforma que alivia penas

20 Dez 2018 - 04h20

O Senado dos EUA aprovou uma reforma no código criminal do país, flexibilizando a condenação de criminosos não violentos e propondo reabilitação de presos. A medida é uma resposta ao encarceramento em massa conduzido pela guerra às drogas. A lei afetará apenas presos federais, correspondendo a 10% da população carcerária. Hoje, há 2,2 milhões de pessoas atrás das grades.

A votação ocorrida na noite de terça-feira é resultado de anos de negociações entre republicanos e democratas. Os parlamentares tomaram a decisão por 87 votos a 12. A Câmara deve aprovar nesta semana o projeto, que irá para a sanção do presidente Donald Trump. Ele declarou apoio ao projeto em novembro.

A lei dá aos juízes mais autonomia para sentenciar acusados por crimes de tráfico de drogas e permite que eles aliviem sentenças duras. O projeto também acelera a reabilitação de presos, acaba com a prisão perpétua automática para quem tiver três condenações, limita o total da pena a 25 anos e permite que 2.600 presos federais sentenciados por posse de cocaína ou crack antes de agosto de 2010 peçam redução de pena.

A política de endurecimento de penas, com base no discurso de guerra às drogas, teve reflexo nas leis até o início dos anos 90. Essa estratégia levou ao envelhecimento da população carcerária. Um relatório do Departamento de Justiça avalia que o custo de manter um preso de 49 anos ou menos é 8% menor do que o de manter presidiários acima dos 50 anos.

Após a votação, Trump elogiou o projeto. Ele falou que a lei vai poupar bilhões de dólares e se disse ansioso para dar a sanção. "O meu trabalho é lutar por todos os cidadãos, incluindo os que cometeram erros", publicou Trump no Twitter momentos depois da decisão. "Isso permitirá que nossas comunidades fiquem mais seguras e dá uma segunda chance para aqueles que merecem."

Os democratas também ficaram satisfeitos. O senador Cory Booker disse que as prisões dos EUA estão lotadas de americanos extremamente pobres, viciados em drogas e com problemas mentais.

Risco à segurança. Apesar do amplo apoio, alguns senadores republicanos apresentaram três emendas sob a alegação de que a lei colocaria a segurança pública em perigo. As iniciativas não foram aprovadas.

Uma delas limitava a participação de presos em programas educacionais e de treinamento que permitiriam ganhar créditos, usados para reduzir a pena. Outra determinava que o órgão federal de prisões dos EUA reportasse a taxa de reincidência para cada prisioneiro que saísse antes.

"Ainda que a lei tenha marginalmente melhorado, em comparação com as versões anteriores, estou muito desapontado porque não foram adotadas as minhas emendas que excluíam abusadores de crianças de ter soltura antecipada e dariam o direito de proteção à vítima", disse o senador republicano Tom Cotton, um dos autores das emendas.

O democrata Dick Durbin afirmou que o projeto aprovado já prevê 60 crimes diferentes que tornam prisioneiros inelegíveis a uma soltura antecipada. Durbin disse que as emendas de Cotton eram muito expansivas e impediriam que 30 mil encarcerados participassem.

Grupos liberais e conservadores se manifestaram a favor da lei. O Americans for Prosperity, sustentado pelos bilionários irmãos Koch e grande financiador do Partido Republicano, elogiou os senadores por colocar o "interesse do país à frente da política". (Com agências)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Matérias Relacionadas

Esportes

Rayssa Leal, a Fadinha, fatura prata no skate street em Tóquio 2020

Atleta é a mais jovem na história a conquistar uma medalha para o país
Rayssa Leal, a Fadinha, fatura prata no skate street em Tóquio 2020
Esportes

Atleta de Jaraguá manda notícias das Olimpíadas de Tóquio

Atleta de Jaraguá manda notícias das Olimpíadas de Tóquio
Esportes

Na busca pelo bi olímpico, Brasil reencontra Alemanha em Yokohama

Seleção masculina dá largada nos Jogos de Tóquio no palco do penta
Na busca pelo bi olímpico, Brasil reencontra Alemanha em Yokohama
Geral

Papa Francisco clama por paz e diálogo em Cuba

Papa também pediu o fim da violência na África do Sul
Ver mais de Mundo