INTERNACIONAL

Pompeo reconhece Brasil por apoio e compromisso com democracia na Venezuela

24 Fev 2019 - 08h58Por Gabriel Bueno da Costa

São Paulo, 24 (AE) - O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, agradeceu em comunicado na noite do sábado a postura do governo brasileiro ao ajudar a Venezuela e seu "apoio firme e compromisso com a democracia" no vizinho. Além disso, Pompeo pediu que as forças de segurança venezuelanas permitam a entrada de ajuda humanitária e protejam os civis de ataques de grupos paramilitares ligados ao regime do presidente Nicolás Maduro.

"Uma coalizão ampla de democracias tem se reunido para insistir que a Venezuela seja livre e que a ajuda humanitária possa entrar, e nós saudamos o presidente Iván Duque e a Colômbia por sua liderança", afirma Pompeo. "Nós do mesmo modo reconhecemos o governo brasileiro por seu apoio firme e compromisso com a democracia ao enviar ajuda crucial e que salva vidas para o povo da Venezuela."

Em sua nota, o secretário de Estado diz que o sábado foi "um dia histórico", com centenas de milhares de voluntários buscando a paz e enfrentando "o ditador" Maduro. Também elogia "o presidente interino" Juan Guaidó e a Assembleia Nacional, presidida por este. Guaidó se autointitulou presidente interino no fim de janeiro, em desafio a Maduro, e foi reconhecido por várias nações, como Brasil, Colômbia e EUA. Maduro, contudo, continua a ser apoiado por alguns países, como China, Rússia e Turquia.

Pompeo lamenta a recusa de Maduro em permitir a entrada de ajuda humanitária internacional, após o presidente venezuelano fechar ontem a fronteira com a Colômbia. Ele também pede que as forças de segurança venezuelanas protejam os civis de "gangues armadas", chamadas de "colectivos" no país, grupos paramilitares que apoiam o regime de Maduro. "Agora é a hora de agir em apoio à democracia e responder às necessidades do desesperado povo venezuelano", argumenta. "Os Estados Unidos tomarão ações e responsabilizarão aqueles que se opuserem à restauração pacífica da democracia na Venezuela", afirma ainda.

Para o governo do presidente Donald Trump, Maduro não tem legitimidade porque venceu eleições fraudadas e deve deixar o posto. O presidente venezuelano, porém, tem dito que não aceitará isso e que o envio de ajuda humanitária é um estratagema para enfraquecê-lo e derrubá-lo do poder.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Dólar fecha praticamente estável a R$ 5,60

Bolsa encerra segunda-feira com pequena alta
Esportes

Flamengo é campeão brasileiro

Rubro-Negro perde de 2 a 1, mas garante oitavo título da história
Flamengo é campeão brasileiro
Economia

Lucro da Weg cresce 48,5% no 4º trimestre, para R$ 742,2 milhões

No ano, o lucro chegou a R$ 2,340 bilhões, avanço de 45% ante o ano anterior
Lucro da Weg cresce 48,5% no 4º trimestre, para R$ 742,2 milhões
Economia

Bolsonaro sanciona projeto que dá autonomia ao Banco Central

Medida prevê mandatos para dirigentes do órgão
Bolsonaro sanciona projeto que dá autonomia ao Banco Central
Ver mais de Mundo