INTERNACIONAL

Polícia chilena usa bombas para dispersar manifestação anti-Bolsonaro

22 Mar 2019 - 22h45Por Ricardo Galhardo e Daniel Weterman, enviados especiais

A polícias chilena usou bombas de gás e jatos d'água para dispersar uma manifestação contra a visita do presidente Jair Bolsonaro ao Chile, no início da noite desta sexta-feira, 22, no centro de Santiago.

A manifestação com cerca de mil pessoas, na maioria militantes dos movimentos feminista, LGBT, sindicatos e partidos de esquerda seguia pacífica até que os policiais, sem aviso, começaram a atirar bombas e disparar jatos d'água.

Alguns manifestantes reagiram jogando pedras. Aparentemente ninguém ficou ferido. "Essa brutalidade da polícia é mais um sinal da onda opressiva de extrema direita que está levando toda a América do Sul", disse a estudante Romina Pérez, que usava o lenço verde característico das manifestações feministas pelo direito ao aborto na Argentina, ano passado.

Os manifestantes carregavam cartazes e montagens com fotos de Bolsonaro geralmente associado a símbolos nazistas. Um grupo de manifestantes levou uma bandeira do Brasil com uma suástica no lugar do círculo central.

Os presidentes dos EUA, Donald Trump, e Argentina, Mauricio Macri, também foram alvos do protestos assim como o mandatário chileno, Sebástian Piñera. "São todos presidentes empresários. Não estão preocupados com o povo. São presidentes antipatriotas", disse Maria Eugênia Puelma, dirigente do Partido Comunista chileno.

O protesto anti-Bolsonaro se misturou a uma manifestação pela reforma do sistema previdenciário do Chile, baseado em fundos de capitalização, que serviu de base para a proposta de reforma da Previdência elaborada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes.

"Aqui no Chile demoramos 30 anos para perceber os efeitos nocivos deste sistema que é praticamente o mesmo que estão querendo implantar no Brasil", disse Mario Villanueva, um dos coordenadores da manifestação.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Príncipe Philip morre aos 99 anos

Palácio de Buckingham anunciou que o marido de Elizabeth II morreu nesta sexta-feira. A causa ainda não foi revelada. Em fevereiro, ele passou por uma cirurgia do coração.
Príncipe Philip morre aos 99 anos
Economia

Dólar sobe para R$ 5,64 após dois dias de queda

Bolsa oscilou bastante, mas fechou com pequena alta
Economia

WEG é a sexta maior empresa do Brasil

Empresa jaraguaense tem valor de mercado de R$ 157 bilhões
WEG é a sexta maior empresa do Brasil
Economia

Jaraguaense Bold cresce 30% em 2020 e inicia operações em Hong Kong, na Ásia

A entrada no mercado asiático faz parte do plano de expansão e internacionalização da empresa, que conta com mais de 500 colaboradores e possui 20 mil clientes
Jaraguaense Bold cresce 30% em 2020 e inicia operações em Hong Kong, na Ásia
Ver mais de Mundo