INTERNACIONAL

Paralisação do governo americano bate recorde histórico e chega ao 22º dia

O impasse se deve a exigências da Casa Branca para a liberação de US$ 5,7 bilhões do orçamento para a construção de um muro na fronteira com o México.

12 Jan 2019 - 10h00Por AP

A paralisação parcial do governo americano bateu recorde histórico neste sábado, 12, ao chegar ao 22º dia sem solução. O impasse se deve a exigências da Casa Branca para a liberação de US$ 5,7 bilhões do orçamento para a construção de um muro na fronteira com o México. A maioria da Câmara dos Representantes, hoje liderada pelos democratas, rejeita a proposta.

O "shutdown" de várias agências federais deixou 800 mil servidores sem salários na sexta, 11. Cerca de 420 mil funcionários trabalham de graça durante a paralisação enquanto os demais são forçados a se afastarem de suas funções em uma licença sem salário. Em razão disso, muitos serviços do governo seguem funcionando abaixo da capacidade ou precisaram fechar as portas até a aprovação do novo orçamento.

Ao chegar ao 22º dia, o impasse entre Trump e os democratas na Câmara bate o recorde antes registrado pela gestão de Bill Clinton entre 1995 e 1996, que paralisou o governo por 21 dias consecutivos. O governo Barack Obama, que antecedeu Trump na Casa Branca, também passou por um situação semelhante que durou 16 dias em 2013.

Sem soluções à frente, Trump reafirmou a possibilidade de declarar emergência nacional para financiar o muro de forma excepcional, sem a aprovação do Congresso. O montante seria realocado de fundos destinados para atuação em desastres naturais, como tufões e incêndios. A proposta, no entanto, não foi bem recebida. Na sexta, a Casa Branca recuou e disse que, apesar de não descartar a opção, não vai realizar a manobra por preferir chegar a um acordo com os democratas.

A presidente da Câmara, a democrata Nancy Pelosi, que lidera a oposição ao muro na fronteira, afirmou que o impasse na verdade é uma cortina de fumaça para distrair a população sobre os erros da Casa Branca e as investigações do procurador especial Robert Mueller sobre as interferências russas.

"Isso não se trata de um muro entre o México e os Estados Unidos. É um muro entre as falhas dele e da sua administração", disse Pelosi. "Isso é uma grande distração e ele é o mestre da distração."

Os democratas aprovaram uma medidas orçamentárias para reabrir o governo sem os fundos para a construção do muro, mas a proposta deverá morrer no Senado, ainda controlado por maioria republicana. Mesmo se aprovado pelo Congresso, Trump afirmou que rejeitará todos os projetos que não incluam os US$ 5 bilhões para sua obra na fronteira.

Na última terça, 8, Trump fez um pronunciamento em rede nacional para pedir a aprovação das verbas para o muro. Segundo o presidente, os Estados Unidos enfrentam uma "crescente crise humanitária na fronteira" e é preciso romper com o ciclo de imigração ilegal no país. Em resposta, os democratas acusaram o republicano de usar os americanos como "reféns" em sua disputa com o Congresso pelo orçamento fiscal.


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp!

Matérias Relacionadas

Saúde

Pentágono prevê vacina contra covid-19 até o fim do ano

Especialista diz que é possível esperar produto nesse período
Geral

Tremor de terra atinge o Chile, mas sem vítimas

Terremoto foi sentido em Arica e Atacama
Saúde

Em dia de conscientização, médicos alertam sobre obesidade infantil

Quarentena pode ser oportunidade para restabelecer hábitos saudáveis
Em dia de conscientização, médicos alertam sobre obesidade infantil
Saúde

Ferramenta usa inteligência artificial para parar de fumar

Ferramenta usa inteligência artificial para parar de fumar
Ver mais de Mundo