Dia internacional das Mulheres
INTERNACIONAL

Opositores falam em transição que envolva chavistas e militares

17 Fev 2019 - 11h22Por Luiz Raatz

Alguns líderes da oposição venezuelana já falam publicamente em uma transição que inclua autoridades chavistas e militares, depois de a oferta de anistia combinada com a pressão pela entrada de ajuda humanitária provocou poucas deserções na cúpula das Forças Armadas. Nos últimos dias, o vice-presidente do Parlamento, Stalin González, e o representante diplomático do líder opositor Juan Guaidó nos EUA, Carlos Vecchio, deram declarações nesse sentido.

A pouca probabilidade de a Casa Branca recorrer a uma intervenção militar e o forte apoio ao chavista Nicolás Maduro de China e Rússia, que têm investimentos na Venezuela, assim como as ressalvas da União Europeia ao modo como os EUA têm articulado a mudança de regime, também contribuem para uma transição negociada, segundo analistas consultados pelo Estado.

Na quinta-feira, González, do partido Um Novo Tempo, disse ser a favor de o chavismo e os militares terem papel na transição. Para ele, a oposição deveria apresentar uma candidatura única em eleições democráticas monitoradas internacionalmente, com o chavismo entre as forças políticas habilitadas a disputá-las.

Vecchio, um dos líderes do partido Voluntad Popular, ao qual pertencem Guaidó e seu padrinho político, Leopoldo López, disse que esse papel pode ser desempenhado pelos deputados chavistas eleitos para a Assembleia Nacional, de maioria opositora.

"Temos de resgatar a convivência democrática", disse Vecchio em debate promovido pela revista digital Efecto Cocuyo. "Os chavistas podem construir a transição a partir da Assembleia. A base chavista não pode pagar pela corrupção da elite madurista."

A mudança de tom se explica pela pequena adesão da cúpula militar a Guaidó. Até agora, apenas um general e dois coronéis romperam com Maduro. Os mais de 2 mil generais comandam setores importantes da economia, como a PDVSA, a extração de ouro e a distribuição de alimentos.

"Ficou claro que a oposição precisa de um plano B. É por isso que muitos já falam da necessidade de novas eleições, até mesmo com o reconhecimento por parte da oposição de que a transição terá de envolver o chavismo", disse ao Estado Geoff Ramsey, especialista do Washington Office on Latin America. "Você tem de oferecer algo ao regime além da anistia. Por isso, é positivo que a oposição considere este cenário." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Dólar chega a R$ 5,55, mas fecha estável com notícias do exterior

Bolsa de valores sobe 1,35% e volta a superar os 112 mil pontos
Saúde

Senado aprova MP que autoriza crédito de R$ 2,5 bi para Covax Facility

A estimativa é que o Brasil obtenha 10,6 milhões de doses
Saúde

Pesquisadores desenvolvem máscara que inativa coronavírus

A ação do equipamento é devida à presença de um nanofilme de quitosana, na camada intermediária da máscara, substância derivada da casca do camarão
Saúde

Biden determina que estados priorizem vacinação de professores

Pediu ainda que os estados apliquem pelo menos uma dose de imunizante em cada educador até o fim de março.
Ver mais de Mundo