Dia internacional das Mulheres
INTERNACIONAL

Oposição venezuelana articula opções eleitorais para cenário pós-Maduro

17 Fev 2019 - 08h00Por Fernanda Simas

Desde janeiro, a oposição venezuelana, sob a liderança de Juan Guaidó, vem mostrando que as ações pela saída do presidente Nicolás Maduro e realização de novas eleições não serão interrompidas como em outras ocasiões - a mais recente nos protestos de 2017. Guaidó se declarou presidente interino, obteve apoio de mais de 50 países, entre eles EUA e Brasil, e tornou-se uma boa opção para manter a oposição unida e liderar o país por um ciclo eleitoral completo.

Analistas políticos e articuladores dos partidos de oposição estimam que pode levar até um ano entre a saída do chavista e a realização de novas eleições. A questão é como se comportarão os diferentes grupos opositores com relação à eleição.

"Já existe na Venezuela um processo de transição democrática que não será detido. Está surgindo um governo de transição. Juan Guaidó é o presidente interino", afirma Lorent Saleh, ativista venezuelano que ficou preso quatro anos e hoje integra o grupo que articula a redemocratização.

Saleh foi preso em 2014, na mesma época que Leopoldo López (fundador do partido Voluntad Popular) e Daniel Ceballos. Ele explica que o movimento opositor atual surgiu em 2007 e está unido para concretizar a mudança de governo. "Somos todos da mesma geração, os mesmos que foram presos lutando, em 2007, e hoje temos o papel de liderar esse processo. Há uma unidade de ação, de objetivos e de metas a cumprir. Há uma força opositora que a cada dia está maior e mais consolidada."

Dentro do VP, se discute apoiar a candidatura de López, atualmente em prisão domiciliar. A mulher do político, Lilian Tintori, anunciou na semana passada que o marido "com certeza decidirá se apresentar candidato", quando estiver em liberdade e com seus direitos políticos recuperados.

Para isso, Guaidó deve construir o caminho da transição como presidente interino, convocar as eleições e então apoiar López, seu mentor político e articulador de sua ascensão repentina. "Ele conversa com Guaidó, que agora é o presidente, com todos os membros do Voluntad Popular e dos outros partidos - os maiores e o menores. Ele se encarregou de unir a oposição", disse Lilian ao Washington Post.

Outros partidos estão representados no governo paralelo e líderes opositores têm apoiado Guaidó. Julio Borges, do Primero Justicia, por exemplo, representa o autoproclamado governo na OEA. Entre os embaixadores que Guaidó designou está María Teresa Belandrio (Brasil), coordenadora do Vente Venezuela, e Humberto Calderón Berti, do partido Copei.

A histórica fragmentação da oposição venezuelana, porém, pode inviabilizar a candidatura de Guaidó. Outros líderes, como María Corina Machado (Vente Venezuela) e Henry Ramos Allup (Acción Democratica) já declararam que também serão candidatos.

"Talvez seja necessário articular a candidatura de Guaidó como único capaz de manter a oposição unida e liderar o país por um período um ciclo completo, o que então configuraria uma ruptura importante no processo político venezuelano", explica o jornalista Daniel Lara, que fugiu do país após perseguição do governo.

O jornalista Alek Boyd divulgou em seu site uma série de investigações sobre o envolvimento em casos de corrupção de antigos líderes opositores, como Borges, Ramos Allup, Henrique Capriles e Henry Falcón. Isso também torna o nome de Guaidó a opção mais viável à presidência, por ser visto como um opositor de nova geração e sem ligação com os esquemas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Senado aprova MP que autoriza crédito de R$ 2,5 bi para Covax Facility

A estimativa é que o Brasil obtenha 10,6 milhões de doses
Saúde

Pesquisadores desenvolvem máscara que inativa coronavírus

A ação do equipamento é devida à presença de um nanofilme de quitosana, na camada intermediária da máscara, substância derivada da casca do camarão
Saúde

Biden determina que estados priorizem vacinação de professores

Pediu ainda que os estados apliquem pelo menos uma dose de imunizante em cada educador até o fim de março.
Economia

Preços de gasolina, diesel e gás aumentam hoje nas refinarias

Litro da gasolina ficou R$ 0,12 mais caro (4,8%)
Preços de gasolina, diesel e gás aumentam hoje nas refinarias
Ver mais de Mundo