INTERNACIONAL

Não há necessidade de mudar a política monetária agora, diz presidente do Fed

09 Mar 2019 - 14h18

O Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) não precisa mudar sua política monetária agora em meio a um cenário misto de pressões inflacionárias contidas, forte mercado de trabalho e crescimento global mais lento, disse o presidente da autoridade monetária, Jerome Powell, em discurso feito na noite de sexta-feira.

"Sem algo no horizonte demandando uma resposta imediata da política monetária, o banco central adotou uma abordagem paciente, de esperar para ver antes de considerar qualquer alteração da postura", disse Powell na Universidade de Stanford.

Os dirigentes do Fed elevaram os juros básicos da economia americana em dezembro para a faixa entre 2,25% e 2,50%, mas, desde então, engavetaram os planos de novos aumentos após o mercado arrefecer no fim do ano passado, em meio a preocupações com a desaceleração do crescimento global.

O discurso de Powell seguiu-se ao anúncio surpreendente do Banco Central Europeu (BCE), na quinta-feira, de novos planos para estimular a economia da zona do euro antes que a desaceleração se aprofunde. Nesta semana, os bancos centrais do Canadá e da Austrália também apontaram aumento dos riscos para as perspectivas.

A fala também aconteceu após um relatório de emprego (payroll) misto, que mostrou um número de contratações muito abaixo do esperado em fevereiro e, ao mesmo tempo, queda na taxa de desemprego e aumento dos salários ao melhor ritmo anual em muitos anos.

No ano passado, o Fed levou os juros em direção a uma taxa neutra, moldada para nem impulsionar, nem retardar o crescimento. Segundo Powell, os juros estão, agora, "dentro da faixa estimada para a taxa neutra" e seus colegas "concordam que essa política é apropriada".

Com o Fed encerrando as altas de juros por ora, os dirigentes têm focado nos últimos meses em quando parar o encolhimento do balanço patrimonial de US$ 4 trilhões do banco central. Eles começaram a cortar as ações do Tesouro e dos títulos hipotecários em outubro de 2017, permitindo que os títulos vençam sem substituí-los. As participações atingiram um pico de US $ 4,5 trilhões, ou 25% do PIB, em 2014, de 6% (ou menos de US $ 1 trilhão), antes da crise financeira de 2008.

Segundo Powell, as ultimas estimativas indicavam que o balanço do Fed poderia chegar a um "novo normal" em algum momento do quarto trimestre, indicando que os dirigentes devem terminar o processo por volta desse período.

"Por um lado, estamos voltando ao normal pré-crise. Por outro, as coisas serão diferentes", disse Powell. "O mundo mudou na última década e tentar recriar o passado não seria nem prático, nem sábio".

Quando o Fed comprou trilhões de dólares em títulos para impulsionar o crescimento em resposta à crise financeira, criou depósitos de bancos, conhecidos como reservas. Ao mesmo tempo, novas regras de liquidez tornaram as reservas um ativo particularmente atrativo para bancos.

Conforme os títulos do Fed vencem, as reservas têm sido drenadas do sistema bancário. Eventualmente, a escassez de reservas pode levar os bancos a cobrar mais nos mercados overnight de empréstimos interbancários, levando os juros do Fed a subir.

O banco central quer parar o escoamento antes que isso aconteça. O resultado é que, enquanto as preocupações com a economia levaram à sua decisão de aumentar o balanço, os planos de agora estão sendo impulsionados principalmente por questões operacionais relacionadas ao complexo encanamento monetário.

Uma vez que o corte acabe, o Fed pode manter o tamanho do seu balanço constante por um intervalo de tempo, permitindo que as reservas encolham muito gradualmente, junto com outros passivos, como câmbio. Powell disse que o Fed anunciará os detalhes desse plano "razoavelmente em breve".

Separadamente, o Fed também está estudando ajustar outro dispositivo da comunicação da era de crise. No ano passado, o banco central trabalhou para suprimir sua declaração oficial de orientações sobre o futuro das taxas de juros, e, em janeiro, o último vestígio dessa diretriz da era pós-crise foi removido.

Porém, desde 2012, o Fed também publica trimestralmente projeções individuais para os juros. A matriz de projeções dos juros, conhecida como "gráfico de pontos", complicou a comunicação do Fed porque, segundo Powell, ela pode ser facilmente mal interpretada. Ele pediu a um comitê do Fed que estude maneiras de deixar essas projeções menos confusas.

"Se entendido adequadamente, o gráfico de pontos pode ser um elemento construtivo da comunicação da política monetária", disse Powell. Mas, como os dirigentes estão recuando na orientação futura na declaração política formal do comitê de definição de alíquotas, "precisaremos encontrar outras maneiras de lidar com a confusão colateral que às vezes envolve os pontos".

Para ilustrar seu argumento, Powell apresentou imagens de uma pintura de Georges Seurat, artista francês pós-impressionista. Antes de apresentar a foto completa, ele mostrou um trecho borrado, com zoom. "Como vocês podem ver, se você está muito focado em alguns pontos, você pode não enxergar o cenário ampliado", disse. Fonte: Dow Jones Newswires.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Espanha vai doar medicamentos do kit intubação ao Brasil

Insumos chegarão no final da próxima semana
Segurança

Tiroteio em Indianapolis deixa oito mortos e vários feridos

Incidente ocorreu em um armazém da FedExc, empresa de carga aérea
Saúde

Brasil recebe 2,3 milhões de kits de intubação vindos da China

Insumos foram comprados por grupo de empresas e serão doados ao SUS
Brasil recebe 2,3 milhões de kits de intubação vindos da China
Economia

Dólar cai pelo terceiro dia seguido e aproxima-se de R$ 5,60

lsa de valores tem leve alta, com realização de lucros
Ver mais de Mundo