Joaçaba Pneus
INTERNACIONAL

Mourão cita preocupação com conflito 'do tempo da Guerra Fria' na Venezuela

26 Mar 2019 - 20h14Por Daniel Weterman e Pedro Venceslau

Em uma referência indireta aos Estados Unidos e à Rússia, o vice-presidente da República, Hamilton Mourão, disse nesta terça-feira, 26, que o Brasil precisa saber se posicionar corretamente em relação à crise da Venezuela.

"Nos preocupa, senhoras e senhores, que um conflito do tempo da Guerra Fria esteja sendo atraído para nosso subcontinente, na nossa vizinha Venezuela. Duas grandes potências estão brigando pela Venezuela. O Brasil tem que saber se posicionar corretamente nisso aí", discursou.

Em relação ao governo do presidente Jair Bolsonaro, Mourão fez uma forte defesa da reforma da Previdência e disse que, caso o problema no sistema não seja resolvido, o País se tornará um "Japão tropical".

"Vamos ter que tomar algumas medidas que não serão das mais populares para que todos os brasileiros tenham futuro", disse Mourão. O vice fez ainda uma autocrítica em relação ao Ministério da Educação, palco recente de uma crise envolvendo o ministro Ricardo Vélez. Ele repetiu que o MEC necessita de um "freio de arrumação".

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

G7 promete doar 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 até 2022

Compromisso consta em documento final da reunião de líderes do grupo
G7 promete doar 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 até 2022
Esportes

Brasil abre Copa América com boa vitória sobre a Venezuela

Seleção faz 3 a 0 com gols de Marquinhos, Neymar e Gabriel Barbosa
Brasil abre Copa América com boa vitória sobre a Venezuela
Saúde

Anvisa autoriza vacina da Pfizer para crianças a partir de 12 anos

Estudos foram desenvolvidos fora do Brasil e avaliados pela agência
Anvisa autoriza vacina da Pfizer para crianças a partir de 12 anos
Esportes

Em nota, jogadores da seleção criticam Copa América, mas negam boicote

Texto foi publicado nas redes sociais após vitória contra o Paraguai
Em nota, jogadores da seleção criticam Copa América, mas negam boicote
Ver mais de Mundo