INTERNACIONAL

Huawei entra com ação judicial para contestar lei de segurança dos EUA

07 Mar 2019 - 10h38

A Huawei entrou com uma ação nesta quarta-feira, 6, em uma corte do Texas (EUA) para desafiar a lei americana que rotula a gigante chinesa como um risco de segurança e que limita o acesso da empresa ao mercado de equipamentos de telecomunicações dos Estados Unidos.

Em sua queixa, a companhia de tecnologia questiona a legalidade de alguns pontos da "National Defense Authorization Act" que impediram que agências governamentais dos EUA comprem equipamentos que utilizam componentes da Huawei e de sua rival, a também chinesa ZTE Corp.

A companhia entende como inconstitucional a seção da lei que cita nominalmente a Huawei, acusando-a por questões de segurança sem a precedência de processo e julgamento.

"Somos obrigados a tomar esta ação legal como um bom e último recurso", afirmou Guo Ping, um dos presidentes da empresa, em entrevista coletiva. O executivo disse ainda que a proibição limita a concorrência do mercado, retardando o lançamento da tecnologia 5G e elevando os preços aos consumidores.

A proibição é "baseada em numerosas proposições falsas, não comprovadas e não testadas", afirmou à imprensa Song Liuping, diretor jurídico da Huawei. "A Huawei tem excelentes histórico e programa de segurança. Nenhuma evidência contrária foi oferecida", garantiu. Fonte: Associated Press.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Esportes

Flamengo é campeão brasileiro

Rubro-Negro perde de 2 a 1, mas garante oitavo título da história
Flamengo é campeão brasileiro
Economia

Lucro da Weg cresce 48,5% no 4º trimestre, para R$ 742,2 milhões

No ano, o lucro chegou a R$ 2,340 bilhões, avanço de 45% ante o ano anterior
Lucro da Weg cresce 48,5% no 4º trimestre, para R$ 742,2 milhões
Economia

Bolsonaro sanciona projeto que dá autonomia ao Banco Central

Medida prevê mandatos para dirigentes do órgão
Bolsonaro sanciona projeto que dá autonomia ao Banco Central
Economia

Dólar tem pequena queda e fecha a R$ 5,42

Bolsa sobe 0,38% em dia de recuperação
Ver mais de Mundo