Delivery Much
INTERNACIONAL

Êxodo causado pela crise econômica faz população da Venezuela encolher 11,9%

22 Mai 2019 - 09h59

Eles fogem da fome, de doenças e da morte. Hoje, formam uma comunidade de mais de 3,7 milhões de expatriados tentando refazer a vida fora da Venezuela, enquanto o país entra em colapso. O número do Acnur, agência da ONU para refugiados, mostra como a crise venezuelana tornou-se também demográfica: a população encolheu 11,9% no total e quase 10% nos últimos quatro anos.

São pais tentando salvar os filhos doentes, médicos que receberam ameaças de morte e até ex-funcionários de estatais ameaçados que decidem cruzar a fronteira. As histórias se repetem e as saídas chegam a 5 mil por dia, segundo dados atualizados do Acnur até fevereiro.

A agência da ONU declarou nesta terça-feira, 21, que, em razão do agravamento da situação política, econômica, de direitos humanos e humanitária na Venezuela, a maioria dos que fogem do país precisa de proteção internacional como refugiados e ajuda para refazer e salvar sua vida. A agência pediu que outros países evitem recorrer a deportações.

Dos 3,7 milhões de venezuelanos registrados atualmente no exterior, apenas 700 mil emigraram antes de 2015, quando a crise começou a se intensificar na Venezuela. Mais de 1,4 milhão de pessoas receberam autorização de residência, vistos, de caráter humanitário ou de trabalho, para se estabelecer legalmente em países latino-americanos, incluindo o Brasil.

Os números de asilo são uma amostra da situação caótica. Em 2015, o número de pedidos foi de 10,2 mil. No fim do ano passado, 464 mil fizeram o pedido. Segundo a ONU, a maioria dos pedidos é feita em países vizinhos. De acordo com a agência, muitos outros conseguiram obter outros tipos de vistos que permitem aos venezuelanos frequentar escolas, sistemas públicos de saúde e trabalhar.

No entanto, muitos ainda permanecem em situação irregular e sem acesso fácil à segurança. A maioria, afirma a Acnur, não poderá retornar à Venezuela tão cedo.

O grande êxodo de venezuelanos que fogem da crise econômica é um dos mais importantes deslocamentos de pessoas na história recente da região. O número de refugiados da Venezuela se compara, e muitas vezes ultrapassa, ao de países em conflito aberto, como Mianmar e Afeganistão.

"Essa situação ocorre em razão das ameaças que pesam sobre a vida, a segurança e a liberdade (dos venezuelanos), e pelas circunstâncias que afetam seriamente a ordem pública na Venezuela", explicou a porta-voz do Acnur em Genebra, Liz Throssel. "Cerca de 3 milhões de pessoas deixaram o país desde 2015."

Na Venezuela, a crise econômica faz com que cerca de 90% das pessoas vivam na pobreza. A inflação atingirá 10.000.000% neste ano, segundo o Fundo Monetário Internacional. Com o salário mínimo em torno de US$ 5 (R$ 20), a maioria das pessoas tem dificuldades de pagar por uma dúzia de ovos ou por um simples saco de arroz. (Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Bancos Inter, Itaú e Caixa lideram ranking de reclamações ao BC

São consideradas instituições com mais de 4 milhões de clientes
Saúde

Governo do Estado acompanha ato de entrega das vacinas contra a Covid-19 nesta segunda-feira

No domingo (17), os cinco diretores da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovaram por unanimidade o uso emergencial da CoronaVac e da vacina de Oxford contra a Covid-19
Governo do Estado acompanha ato de entrega das vacinas contra a Covid-19 nesta segunda-feira
Saúde

Anvisa devolve pedido de uso emergencial da Sputnik

Vacina é fabricada pela Rússia
Saúde

Por unanimidade, Anvisa aprova uso emergencial de vacinas contra covid

Decisão depende de publicação para entrar em vigor
Por unanimidade, Anvisa aprova uso emergencial de vacinas contra covid
Ver mais de Mundo