dengue
INTERNACIONAL

Escolhida por Merkel desiste de sua sucessão como chanceler da Alemanha

11 Fev 2020 - 08h59

A sucessora designada por Angela Merkel, Annegret Kramp-Karrenbauer, anunciou nesta segunda-feira, 10, que desistiu de se candidatar ao cargo de chanceler da Alemanha, no ano que vem, e deixará a presidência da União Democrata-Cristã (CDU). Ela foi vítima de uma aliança de seu partido com populistas radicais de direita na eleição para o governo do Estado da Turíngia.

Ontem, Kramp-Karrenbauer, conhecida pelas iniciais AKK, afirmou que iniciará o processo para escolha de um novo líder antes de deixar a chefia da legenda. Merkel acrescentou que ela deve continuar no cargo de ministra da Defesa, que ocupa desde julho.

Protegida e escolhida por Merkel, Kramp-Karrenbauer vinha sendo cada vez mais questionada a respeito de sua capacidade de substituir a chanceler, que comanda o país há 15 anos, mas planeja sair de cena na próxima eleição.

Na semana passada, a incapacidade dela de disciplinar o diretório da Turíngia foi mais um golpe em sua credibilidade. A CDU regional a desafiou, apoiando um líder local que assumiu com ajuda do partido Alternativa para Alemanha (AfD), rompendo com o consenso do pós-guerra contra extremistas de direita.

A CDU está dividida entre adversários e partidários de uma cooperação com a AfD, sobretudo nos Estados do leste, que pertenciam à Alemanha Oriental, onde a extrema direita é mais forte. A decisão de AKK de não concorrer ao cargo de chanceler coloca um grande ponto de interrogação no futuro da Alemanha, no momento em que sua economia, a quarta maior do mundo, beira a recessão e a União Europeia tenta se recuperar do impacto do Brexit.

Merkel ocupa papel de destaque na arena global desde 2005. Ela ajudou a UE a passar pela crise da zona do euro e abriu as portas para os imigrantes em fuga de guerras no Oriente Médio em 2015 - uma medida que ainda divide o bloco governista.

A escolha de AKK como líder refletia um desejo de continuidade na política centrista de Merkel, frente ao advogado Friedrich Merz, favorável a uma guinada clara à direita. Merz defende a necessidade de recuperar os eleitores conservadores que passaram a votar na AfD. Agora, seu nome passa a ser cotado como candidato a substituir Merkel. Logo após sua eleição, AKK pediu a união do partido em um cenário político cada vez mais fragmentado, no qual as principais legendas - CDU e o SPD (social-democratas) - perderam eleitores para a AfD e os Verdes.

Sucessão

O desejo de Merkel de manter seu cargo de chanceler mesmo desistindo da liderança do partido não facilitou a tarefa de AKK. "Separando a chancelaria e a presidência do partido, abandonamos uma prática estabelecida na CDU", disse ontem Kramp-Karrenbauer, em uma referencia crítica a Merkel.

Após o anúncio de AKK, iniciou-se uma especulação de quem pode ser o próximo chefe de governo da Alemanha. Merz, de 64 anos, é um velho inimigo de Merkel desde os anos 90. Se assumir a presidência da CDU, a tendência é que ele pressione Merkel a abandonar o poder prematuramente.

Outro cotado é Armin Laschet, de 58 anos. Laschet governa a Renânia do Norte-Westfália, Estado mais importante da CDU. Próximo a Merkel, ele tem uma boa aceitação entre os membros do SPD, que apoia o atual governo de Merkel.

O ministro da Saúde, Jens Spahn, é muito elogiado por seu trabalho. No espectro político, está à direita do partido e também faz parte do campo 'anti-Merkel', a quem criticou em 2015 por sua política migratória. No entanto, analistas questionam como uma sigla conservadora como a CDU reagirá à pouca idade de Spahn - ele tem 39 anos - e ao fato de ele ter se assumido homossexual.(Com agências internacionais).

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Matérias Relacionadas

Geral

Moraes volta a defender regulamentação das redes sociais

Ministro diz que milícias digitais atuam para desacreditar Judiciário
Moraes volta a defender regulamentação das redes sociais
Esportes

Referência do automobilismo, Wilsinho Fittipaldi morre aos 80 anos

Ex-piloto idealizou 1ª equipe brasileira de Fórmula 1 ao lado do irmão
Referência do automobilismo, Wilsinho Fittipaldi morre aos 80 anos
Política

Lunelli diz que viagem aos Emirados Árabes trará resultados positivos para SC

Deputado faz parte da comitiva do governo do Estado responsável pelas negociações com aquela região 
Lunelli diz que viagem aos Emirados Árabes trará resultados positivos para SC
Política

Lunelli avalia como promissor interesse dos Emirados Árabes em investir em SC

A comitiva de lideranças catarinenses iniciou nesta segunda-feira (19), uma série de reuniões nos Emirados Árabes
Lunelli avalia como promissor interesse dos Emirados Árabes em investir em SC
Ver mais de Mundo