Dia internacional das Mulheres
INTERNACIONAL

Escândalo ameaça carreira de premiê do Canadá

08 Mar 2019 - 06h00

Quando foi eleito primeiro-ministro do Canadá, em 2015, Justin Trudeau era um dos políticos mais festejados do mundo. Cara de galã, discurso moderno - em francês e inglês irretocáveis - e um pedigree político tradicional: ele é o filho mais velho do ex-premiê Pierre Trudeau e da ativista Margaret Sinclair. Quatro anos depois, um escândalo de corrupção ameaça encerrar prematuramente sua carreira.

Na origem da crise está a empreiteira canadense SNC-Lavalin, com 50 mil empregados, entre eles 9 mil no país, acusada de um suborno na Líbia. A ex-procuradora-geral e ministra de Justiça do Canadá, Jody Wilson-Raybould, afirma que foi pressionada pelo premiê para obter um acordo, em vez de prosseguir com as acusações formais.

Como resistiu, Jody foi rebaixada e pediu demissão. Em seguida, deixaram o governo Gerald Butts, assessor mais próximo de Trudeau, a presidente do Conselho do Tesouro, Jane Philpott, que é muito ligada à ex-procuradora, e a deputada Celina Caesar-Chavannes, que anunciou que não se candidatará novamente.

"Infelizmente, as provas de esforços de políticos e funcionários do governo para pressionar a ex-ministra da Justiça a intervir em um caso envolvendo a SNC-Lavalin levantaram sérias preocupações em mim", justificou Philpott.

A ex-procuradora prestou depoimento ao Congresso na semana passada. Suas declarações atingiram em cheio o governo. A perda de empregos e votos explicaria a preocupação de Trudeau com a condenação da construtora na Justiça e, por isso, teria tentado influenciar o processo - se for condenada, a SNC-Lavalin não poderá obter contratos com o governo pelos próximos dez anos.

O premiê nega as acusações de interferir no Judiciário, mas até agora não foi convincente. Pesquisas apontam que mais de 40% dos canadenses acreditam que ele agiu mal na condução do escândalo. A oposição, liderada pelo Partido Conservador, passou a cobrar a renúncia de Trudeau, embora o país já tenha eleições legislativas marcadas para 21 de outubro.

Uma pesquisa realizada pelo instituto Ipsos, divulgada esta semana, mostrou o Partido Liberal, de Trudeau, com apenas 31% das intenções de voto, enquanto os conservadores têm com 40%, a maior vantagem no atual ciclo eleitoral.

Ontem, em entrevista coletiva, o premiê disse que todas suas atitudes tiveram como objetivo "proteger postos de trabalho" e garantiu que sua equipe "seguiu a lei". "Em última análise, acredito que nosso governo sairá mais forte por ter lutado contra essas questões", disse. "Quando 9 mil empregos estão em jogo, esse é um problema de política pública da mais alta ordem."

Trudeau tornou-se um dos principais ícones da centro-esquerda mundial com um governo progressista e marcado pela igualdade de gênero e pela abertura do Canadá a imigrantes e refugiados. No auge de sua popularidade, o primeiro-ministro bateu de frente com as políticas defendidas por seu vizinho Donald Trump, alimentando uma estranha diplomacia com os EUA. Agora, a imagem de político progressista, alinhado a causas sociais, parece irremediavelmente arranhada pelo escândalo. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Senado aprova MP que autoriza crédito de R$ 2,5 bi para Covax Facility

A estimativa é que o Brasil obtenha 10,6 milhões de doses
Saúde

Pesquisadores desenvolvem máscara que inativa coronavírus

A ação do equipamento é devida à presença de um nanofilme de quitosana, na camada intermediária da máscara, substância derivada da casca do camarão
Saúde

Biden determina que estados priorizem vacinação de professores

Pediu ainda que os estados apliquem pelo menos uma dose de imunizante em cada educador até o fim de março.
Economia

Preços de gasolina, diesel e gás aumentam hoje nas refinarias

Litro da gasolina ficou R$ 0,12 mais caro (4,8%)
Preços de gasolina, diesel e gás aumentam hoje nas refinarias
Ver mais de Mundo