Joaçaba Pneus
INTERNACIONAL

Democratas vivem briga interna nos EUA em torno de dados de eleitores

16 Dez 2018 - 08h24Por Dow Jones Newswires

O Partido Democrata dos Estados Unidos passa no momento por uma crescente briga interna em torno de dados de eleitores vistos como cruciais para aumentar o comparecimento às urnas à medida que se aproximam as eleições presidenciais de 2020, apontam correspondências vistas pelo Wall Street Journal.

A legenda enfrenta dificuldades para se equiparar aos esforços dos republicanos para coletar e armazenar dados de eleitores que permitem a políticos direcionar com precisão a sua comunicação com o eleitorado. Uma rixa entre o Comitê Nacional Democrático (DNC, na sigla em inglês) e os diretórios estaduais do partido sobre como lidar com esse processo está ameaçando a unidade partidária ao passo que o período de primárias se aproxima e os candidatos se voltam a listas de eleitores para tentar amealhar apoio.

Sob a atual configuração, diretórios estaduais coletam os dados e o DNC cobre os custos de organizar e analisá-los.

Os democratas querem robustecer os conjuntos de dados, acrescentando informações como endereços de e-mail, contas em mídias sociais e números de celular. O DNC propôs imitar o projeto de dados do Comitê Nacional Republicano (RNC), criando uma célula separada para armazenar a informação e licenciá-la a todos os membros do partido e aliados, incluindo grandes financiadores e outros grupos externos.

Mas, em um e-mail na sexta-feira, o presidente da Associação dos Comitês Estaduais Democratas, Ken Martin, sugeriu rejeitar o plano do diretório nacional, propondo aos seus correligionários na esfera dos Estados que isolem totalmente o DNC e trabalhem com a TargetSmart, uma empresa privada com quem já têm uma relação financeira existente. A companhia paga uma comissão aos diretórios estaduais toda vez que eles licenciam os dados brutos de eleitores a outros clientes.

O presidente do DNC, Tom Perez, respondeu ontem em um longo e-mail aos presidentes estaduais e diretores executivos, soando o alarme contra a alternativa de Martin. "Por alguma razão inexplicável, essa proposta rasgaria tudo sobre a nossa atual estrutura de dados, revertendo tanta coisa do progresso que fizemos ao longo da última década", escreveu Perez. "Em resumo, estamos perplexos e incrédulos por essa proposta."

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

G7 promete doar 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 até 2022

Compromisso consta em documento final da reunião de líderes do grupo
G7 promete doar 1 bilhão de vacinas contra a covid-19 até 2022
Esportes

Brasil abre Copa América com boa vitória sobre a Venezuela

Seleção faz 3 a 0 com gols de Marquinhos, Neymar e Gabriel Barbosa
Brasil abre Copa América com boa vitória sobre a Venezuela
Saúde

Anvisa autoriza vacina da Pfizer para crianças a partir de 12 anos

Estudos foram desenvolvidos fora do Brasil e avaliados pela agência
Anvisa autoriza vacina da Pfizer para crianças a partir de 12 anos
Esportes

Em nota, jogadores da seleção criticam Copa América, mas negam boicote

Texto foi publicado nas redes sociais após vitória contra o Paraguai
Em nota, jogadores da seleção criticam Copa América, mas negam boicote
Ver mais de Mundo