105 Ouça
Caraguá
INTERNACIONAL

Coletes amarelos protestam em Paris e enfrentam esquema de segurança reforçado

23 Mar 2019 - 14h26Por AE

Milhares de manifestantes franceses conhecidos como "coletes amarelos" retornaram às ruas de Paris, França, no 19ª fim de semana de protestos contra o presidente Emmanuel Macron. A segurança policial foi reforçada em algumas áreas da capital e cidades do interior, com o objetivo de impedir uma repetição dos confrontos da semana passada.

Os manifestantes se reuniram na praça Denfert-Rochereau, no sul da cidade, e marcharam rumo à região norte. Os protestos devem terminar no bairro turístico de Montmartre, em torno da catedral Sacré-Coeur.

A polícia francesa proibiu os protestos na Avenida Champs-Elysées e em diversas outras cidades do país, como Bordeaux, Toulouse, Marseille e Nice, no sul da França, e Rouen, no oeste. No último fim de semana, dezenas de lojas da Champs-Elysées foram saqueadas e algumas foram incendiadas por manifestantes.

Hoje, a polícia de Paris deteve 51 pessoas, emitiu 29 multas e realizou 4.688 "verificações preventivas" de manifestantes que entravam na capital. Em Nice, as forças de segurança locais dispersaram algumas centenas de manifestantes que se reuniam na praça central. A cidade está sob forte esquema de segurança, pois é esperado que o presidente chinês, Xi Jinping, passe a noite de sábado para domingo no local como parte de sua visita à França.

O novo chefe da Polícia de Paris, Didier Lallement, que assumiu a responsabilidade pela destruição causada pelos protestos da semana passada, informou que unidades policiais específicas foram criadas para atuar mais rapidamente em resposta a qualquer ação violenta. Cerca de 6 mil policiais foram deslocados para manter a ordem durante os protestos e dois drones também estão sendo utilizados para monitorar as manifestações.

Na sexta-feira, Mácron rejeitou críticas de líderes da oposição sobre o envolvimento de militares, dizendo que eles não estão assumindo as funções de policiais.

Os protestos dos coletes amarelos começaram em novembro em oposição a aumentos de impostos, mas tiveram seu foco ampliado posteriormente para uma rejeição pública às políticas econômicas de Mácron. Segundo os manifestantes, tais medidas favorecem grandes empresas e ricos em detrimento das classes econômicas mais baixas do país. Fonte: Associated Press.

Caraguá

Matérias Relacionadas

Saúde

Aumento de casos de Covid-19 não deve elevar número de óbitos, afirma ministro

Queiroga disse também que, nos próximos 15 dias, serão distribuídos 14 milhões de testes rápidos de antígenos.
Aumento de casos de Covid-19 não deve elevar número de óbitos, afirma ministro
Geral

Incêndio em Nova York deixa 19 mortos, nove deles crianças

Fogo no bairro de Bronx deixou ainda centenas de feridos
Economia

Dólar cai para R$ 5,63, após dados de emprego nos EUA

Bolsa subiu 1,14%, mas fechou semana em baixa
Saúde

Covid-19: reações à vacina em crianças são raras, dizem especialistas

Para pesquisadores, risco de não vacinar supera qualquer reação
Covid-19: reações à vacina em crianças são raras, dizem especialistas
Ver mais de Mundo