Dia internacional das Mulheres
INTERNACIONAL

China: Xi se mantém firme no comando às vésperas de nova sessão legislativa

04 Mar 2019 - 12h51Por AE

Um ano depois de conseguir a aprovação de uma reforma que acaba com a limitação de mandatos na liderança chinesa, o presidente da China, Xi Jinping, parece estar firme no comando do país, apesar da desaceleração da economia, de uma guerra comercial com os Estados Unidos e do descontentamento com a concentração de poder. Como presidente da China e chefe do Partido Comunista, Xi tem mais autoridade do que qualquer líder desde Deng Xiaoping nos anos 1980 e tem forte influência na sessão legislativa anual que começa na terça-feira.

Desde que assumiu o comando do partido em 2012, Xi eliminou facções rivais e colocou o partido sob seu controle firme por meio de uma ampla campanha anticorrupção e da abertura de comitês partidários em empresas privadas e estrangeiras. Ainda assim, com os anos dourados da economia no passado e os governos locais atolados em dívidas, o horizonte continua repleto de desafios. "Fontes globais de turbulência e riscos aumentaram, e o ambiente externo é complicado e sombrio", disse Xi a autoridades em um discurso no mês passado.

Espera-se que a sessão legislativa deste ano seja consideravelmente menos dramática do que a do ano passado, quando a decisão de Xi de emendar a Constituição para remover os limites de mandato da Presidência abriu o caminho para ele permanecer como chefe de Estado pelo tempo que quiser. O movimento reverteu a tendência para uma maior restrição à liderança, anunciando a disposição de Xi de derrubar as regras e estruturas tênues que o partido havia institucionalizado nas últimas décadas.

A principal delas é a tradição de que, em seu segundo mandato de cinco anos, o líder deve começar a apontar para um provável sucessor. Xi não fez nenhum movimento nesse sentido enquanto arrogava para si mesmo uma autoridade cada vez maior sobre o governo, da economia à política externa e às Forças Armadas. Como secretário geral do partido, Xi é chefe de seu todo-poderoso Comitê Permanente do Politburo, com sete membros. "A questão mais importante agora é: qual norma será a próxima a cair?", disse Carl Minzner, professor da Fordham Law School em Nova York e autor de um livro recente sobre política chinesa, por e-mail.

Por enquanto, porém, predominam preocupações mais imediatas. Em uma entrevista coletiva nesta segunda-feira, o porta-voz do Congresso, Zhang Yesui, reiterou o desejo de Pequim de encontrar uma solução mutuamente aceitável para a disputa tarifária com os EUA e elogiou as vantagens de um projeto de lei que, segundo ele, marcará uma "mudança fundamental" em como a China administra o investimento estrangeiro.

Embora a lei de investimentos estrangeiros seja o único item na agenda do congresso, Zhang disse que o comitê permanente vai propor nova legislação nas áreas de regulamentação de medicamentos, assuntos de veteranos e proteção do rio Yangtze, que representa a hidrovia interna mais importante da China. O comitê permanente se reúne a cada dois meses para lidar com a maior parte das tarefas legislativas do Congresso.

No entanto, enquanto Xi aparenta continuar solidamente no controle, Patrícia Thornton, especialista em China da Universidade de Oxford, diz que o descontentamento está sob a superfície, citando críticas sobre a remoção dos limites de mandato e a mão pesada na política externa e no comércio, juntamente com relatos mostrando uma erosão da confiança na perspectiva econômica. "Há sinais de descontentamento entre as elites políticas e socioeconômicas que podem se traduzir em um retrocesso nas atuais políticas centrais", disse Thornton.

Cheng Li, da Brookings Institution, diz que Xi se encontra em uma "situação delicada" e pode fazer uma demonstração de inclusão de outras pessoas no processo de tomada de decisões, desde que sua liderança não seja questionada. "Ele não vai mudar a maneira como está acima do comitê permanente", disse Li. "Mas, em algumas outras coisas, Xi pode dar a outros líderes mais chances."

As preocupações com a liderança podem ser intensificadas porque este ano marca várias datas históricas sensíveis, incluindo o 70º aniversário em 1º de outubro da fundação da República Popular e o 60º aniversário neste mês de uma revolta contra o domínio chinês no Tibete. Em junho há o 30º aniversário do esmagamento militar dos protestos pró-democracia de 1989 na Praça da Paz Celestial de Pequim e o 10º aniversário de motins anti-chineses em Xinjiang. Fonte: Dow Jones Newswires.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Dólar chega a R$ 5,55, mas fecha estável com notícias do exterior

Bolsa de valores sobe 1,35% e volta a superar os 112 mil pontos
Saúde

Senado aprova MP que autoriza crédito de R$ 2,5 bi para Covax Facility

A estimativa é que o Brasil obtenha 10,6 milhões de doses
Saúde

Pesquisadores desenvolvem máscara que inativa coronavírus

A ação do equipamento é devida à presença de um nanofilme de quitosana, na camada intermediária da máscara, substância derivada da casca do camarão
Saúde

Biden determina que estados priorizem vacinação de professores

Pediu ainda que os estados apliquem pelo menos uma dose de imunizante em cada educador até o fim de março.
Ver mais de Mundo