Dia internacional das Mulheres
INTERNACIONAL

Brasil pressionará China e Rússia a apoiar Guaidó na Venezuela, diz Araújo

07 Mar 2019 - 20h09

O ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, afirmou que seu país pressionará China, Rússia e outras nações emergentes para apoiar o líder opositor da Venezuela, Juan Guaidó, autodeclarado presidente interino.

Araújo afirmou que o novo governo de direita do Brasil apelará aos integrantes do grupo dos Brics, que inclui ainda Índia e África do Sul, durante uma reunião de cúpula na próxima semana no País.

"O Brasil tem uma responsabilidade única nas relações exteriores", afirmou Araújo em entrevista ao Wall Street Journal em Brasília nesta quinta-feira. Ele acrescentou acreditar que seu país pode ter um papel crucial para colocar pressão sobre o restante do bloco contra o regime do presidente Nicolás Maduro.

"É uma questão de senso comum", afirmou o chanceler brasileiro. "Ninguém quer um aliado como Maduro. Esses países têm uma reputação a preservar."

A posição marca uma mudança importante para o Brasil, que em geral evita confrontações com outras nações, especialmente com a China, principal parceira comercial, adotando uma abordagem prática para a política externa.

"Nós não concebemos a política externa baseados apenas em comércio", afirmou Araújo sobre a nova administração do presidente Jair Bolsonaro, que assumiu em janeiro. Fonte: Dow Jones Newswires.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Dólar chega a R$ 5,55, mas fecha estável com notícias do exterior

Bolsa de valores sobe 1,35% e volta a superar os 112 mil pontos
Saúde

Senado aprova MP que autoriza crédito de R$ 2,5 bi para Covax Facility

A estimativa é que o Brasil obtenha 10,6 milhões de doses
Saúde

Pesquisadores desenvolvem máscara que inativa coronavírus

A ação do equipamento é devida à presença de um nanofilme de quitosana, na camada intermediária da máscara, substância derivada da casca do camarão
Saúde

Biden determina que estados priorizem vacinação de professores

Pediu ainda que os estados apliquem pelo menos uma dose de imunizante em cada educador até o fim de março.
Ver mais de Mundo