Dia internacional das Mulheres
INTERNACIONAL

Brasil montará força-tarefa para entrega de ajuda humanitária à Venezuela

19 Fev 2019 - 20h40

O porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, disse nesta terça-feira, 19, que o Brasil montará uma força-tarefa em Roraima, na fronteira com a Venezuela, para definir a entrega de ajuda humanitária enviada pelos Estados Unidos em coordenação com a oposição venezuelana.

Roraima será o segundo ponto de ajuda, ao lado de Cúcuta, na Colômbia. Segundo Rêgo Barros, alimentos e remédios serão disponibilizados na capital, Boa Vista, e em Pacaraima, na fronteira com Santa Elena de Uairen.

O terceiro ponto de entrega de ajuda fica nas Antilhas Holandesas, que reúnem as ilhas de Aruba, Curaçao e Bonaire. Mais cedo, no entanto, a Marinha venezuelana anunciou que fecharia a fronteira aérea e marítima com o arquipélago caribenho.

O ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino, reafirmou hoje seu compromisso com o presidente Nicolás Maduro e prometeu proteger a fronteira de "ameaças à integridade territorial venezuelana".

Maduro tem rejeitado a entrega de mais de 900 toneladas de alimentos por julgá-la um pretexto dos Estados Unidos para intervir militarmente na Venezuela. O líder opositor Juan Guaidó diz que 300 mil venezuelanos precisam com urgência de comida e remédios e a ajuda humanitária é um meio de forçar o Exército a escolher entre o chavismo e o povo.

"A Força Armada permanecerá mobilizada e alerta ao longo das fronteiras (...) para evitar qualquer violação à integridade de seu território", disse Padrino.

O comandante das Forças Armadas ainda acusou o presidente americano, Donald Trump, de ser "arrogante" por pedir ao Exército venezuelano que aceite a anistia oferecida pelo líder da oposição Juan Guaidó e a romper com Maduro. "Reiteramos sem restrições obediência, subordinação e lealdade", afirmou Padrino. "Aqui temos presidente, aqui temos o comandante-em-chefe, Nicolás Maduro."

Guaidó, por seu lado, começou nas redes sociais uma campanha para que os generais que comandam brigadas na fronteira atendam aos pedidos dos venezuelanos por comida e remédios.

"Soldados, escutem", pediu Guaidó, tornando públicos os nomes dos comandantes dos batalhões de fronteira. A aposta da oposição é que em vez de ouvir Padrino, esses militares ouçam ao apelo popular.

A crise econômica que atinge a Venezuela desde 2013 levou o país à hiperinflação, escassez de alimentos, remédios e de serviços básicos, como água e luz. A queda do preço do petróleo e sanções impostas pelos EUA agravaram a situação.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Senado aprova MP que autoriza crédito de R$ 2,5 bi para Covax Facility

A estimativa é que o Brasil obtenha 10,6 milhões de doses
Saúde

Pesquisadores desenvolvem máscara que inativa coronavírus

A ação do equipamento é devida à presença de um nanofilme de quitosana, na camada intermediária da máscara, substância derivada da casca do camarão
Saúde

Biden determina que estados priorizem vacinação de professores

Pediu ainda que os estados apliquem pelo menos uma dose de imunizante em cada educador até o fim de março.
Economia

Preços de gasolina, diesel e gás aumentam hoje nas refinarias

Litro da gasolina ficou R$ 0,12 mais caro (4,8%)
Preços de gasolina, diesel e gás aumentam hoje nas refinarias
Ver mais de Mundo