105 Ouça
Caraguá
INTERNACIONAL

Após protestos, premiê promete corte de gastos no Haiti

19 Fev 2019 - 06h30

O governo do Haiti prometeu ontem reduzir gastos e aprofundar uma investigação sobre corrupção no programa de petróleo PetroCaribe, uma tentativa de satisfazer algumas das exigências dos milhares de manifestantes que desde o dia 7 pedem a renúncia do presidente Jovenel Moise. A onda de protestos violentos na capital haitiana deixou pelo menos nove mortos.

Uma investigação do Senado, realizada no ano passado, acusou ex-funcionários do governo e empresários de desviar cerca de US$ 2 bilhões (R$ 7,4 bilhões) de ajuda enviada por Caracas.

Durante um pronunciamento televisionado, o primeiro-ministro haitiano, Jean-Henry Céant, anunciou medidas para aliviar a crise econômica. Ele disse que o governo cortará 30% de seus gastos, conversará com o setor privado para tentar elevar o salário mínimo e indicará um novo diretor para intensificar o inquérito na Petrocaribe.

O governo também buscará mais investimentos externos para reanimar a economia, segundo Céant. "Eu e os membros do governo ouvimos a voz (da oposição), ouvimos este brado, entendemos sua raiva e indignação", afirmou.

Desde o dia 7, milhares de manifestantes pedem a renúncia do presidente e de Céant e um inquérito independente sobre o paradeiro dos fundos do acordo da PetroCaribe, uma aliança entre países caribenhos e a Venezuela para a venda de petróleo a preços subsidiados.

Na quinta-feira, a Embaixada do Brasil em Porto Príncipe publicou uma nota aconselhando a não viajar ao Haiti. Vários governos estrangeiros, como EUA e Canadá, também instruíram seus cidadãos a evitarem viagens para o Haiti. A expectativa é de que os protestos sejam retomados nesta semana. (Com agências internacionais)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Caraguá

Matérias Relacionadas

Economia

WEG vai abrir nova fábrica na Ásia

Previsão de inauguração é para o primeiro semestre deste ano
WEG vai abrir nova fábrica na Ásia
Saúde

Aumento de casos de Covid-19 não deve elevar número de óbitos, afirma ministro

Queiroga disse também que, nos próximos 15 dias, serão distribuídos 14 milhões de testes rápidos de antígenos.
Aumento de casos de Covid-19 não deve elevar número de óbitos, afirma ministro
Geral

Incêndio em Nova York deixa 19 mortos, nove deles crianças

Fogo no bairro de Bronx deixou ainda centenas de feridos
Economia

Dólar cai para R$ 5,63, após dados de emprego nos EUA

Bolsa subiu 1,14%, mas fechou semana em baixa
Ver mais de Mundo