caragua
caragua mobile
Jaraguá Futsal

Goleiro Franklin esclarece que essa é a semana decisiva para o projeto Jaraguá Futsal

03 Ago 2016 - 02h20
Nesta terça-feira fez exatamente uma semana do episódio mais marcante nesta temporada do Jaraguá Futsal, quando a equipe chegou a anunciar o fim das atividades devido à falta de pagamento de salários. O fato revertido horas depois da diretoria da ADJ aceitar a proposta do grupo, de assumir a gestão do clube em troca da dívida. Porém, desde então nada evoluiu. Em entrevista, o goleiro Franklin, líder dentro do grupo para negociar essas questões com a diretoria, revela que essa semana deve ser decisiva para a continuação do projeto, pelo menos com este grupo de jogadores.

 

Rádio Jaraguá: Após o ocorrido na ultima terça-feira, quais são os fatos novos?
Franklin: Palpáveis são poucos. O que aconteceu foi que apareceu muitas pessoas solidárias para ajudar, querendo ceder espaço para os atletas se hospedarem ou se alimentarem. Outro fato é que estamos negociando de forma civilizada com a direção do Jaraguá, todos com o pensando do melhor para o projeto, que é a continuação. O projeto maior é o futsal, não eu e nem a diretoria.

 

Goleiro Franklin é o representante dos jogadores do Jaraguá Futsal (Rodrigo Floriani)

Rádio Jaraguá: A necessidade urgente é de dinheiro para acertar as contas. Alguma novidade?
Franklin: Não e este é o principal problema. Não temos mais argumentos para convencer estes atletas a entrarem em quadra e jogar. Já passamos do limite e está insustentável eles continuar. Todos os atletas estão com muita dificuldade e o agravante é que não receberam nada do ultimo mês. Eles vinham recebendo picado, mas agora nem isso ocorreu. Por isso demos essa semana como prazo final para resolver a situação. Caso não ocorre nenhuma novidade no âmbito financeiro, acredito que esses jogadores não devem continuar. Eu estou agindo de acordo com o desejo dos atletas. E, passado o jogo de ontem, se o grupo se reunir e decidir parar de jogar não posso fazer nada. Tudo é resolvido com todo o grupo único e com o voto de todos, vence a maioria.

 

Rádio Jaraguá: Depois que o grupo EL SHADDAI anunciou que não iria mais patrocinar a equipe você abriu conversações com um dos sócios desse grupo, que é pai de um jogador do Jaraguá. Existe a possibilidade dele injetar dinheiro para resolver os problemas financeiros da equipe?

Franklin: Converso pessoalmente com ele por telefone e ele deixa claro que dentro do trabalho profissional ele contribuiria em caso de êxito em algumas ações na atualidade. Também deixei claro que essa contribuição no momento teria que ser com um valor razoável, que pelo menos viabilizasse uns dois ou três salários para que possamos tomar qualquer atitude. Agora, não podemos contar apenas com esse patrocinador. O que temos de fazer é divulgar para o mundo todo que esse projeto é um foco maravilhoso de marketing e quem tem um foco de crescimento empresarial este é o lugar certo para se investir.

 

Rádio Jaraguá: Com a diretoria o assunto está resolvido. A proposta do grupo assumir a equipe ainda está valendo?
Franklin: Essa questão é bem mais complexa do que a gente imagina. Isso foi uma proposta que surgiu em meio ao ocorrido no momento, há uma semana atrás. Mas, urgente, precisamos resolver os problemas do projeto e isso só será uma realidade se conseguirmos patrocinador. Obvio que nós (equipe) não podemos assumir se não termos garantido um parceiro muito forte. Sem uma empresa para viabilizar na realidade só mudaria de uma gestão para outra e o projeto acabaria igual. Temos que esquecer isso e pensar em algo maior, que é buscar verbas. Depois resolvemos essas questões com diretoria e quem será responsável pela continuidade do projeto.

 

Rádio Jaraguá: Você foi chamado por um proprietário de um hotel e recebeu uma notificação. O que ocorreu?
Franklin: Quero esclarecer que nessas entrevistas dadas referente ao assunto, em nenhum momento eu quis expressar que algum hotel colocou os atletas para rua. Bem pelo contrário, porque todos os proprietários de hotel e imobiliárias que temos atletas morando são pessoas que contribuem muito com o projeto do futsal e, pelo contrário, acolherem os jogadores até por mais tempo que o previsto conforme a programação. Algumas pessoas entenderam de uma forma diferente o que tentei explicar e isso gerou um mal-estar.

 

Rádio Jaraguá: Mesmo com salários atrasados a sete meses os jogadores representaram a equipe. Como você descreve isso?
Franklin: Eu só tenho a elogiar esses meninos, que lutam pelo nome de Jaraguá do Sul. Qualquer pessoa que estivesse nessa situação teria dificuldade de exercer a profissão, ainda mais dentro do esporte que você precisa trabalhar em grupo e ter reações imediatas a cada lance da partida. Até agora todos tiveram uma excelência que chega a surpreender e nos deixar muito agradecido por lutarem desse jeito por essa equipe. Mas agora é inevitável continuar. Os atletas estão no limite, inclusive emocional, e não temos mais como continuar.
caragua mobile

Matérias Relacionadas

Segurança

Identificado motociclista que morreu após acidente em Jaraguá do Sul

Acidente foi no fim da manhã desta segunda-feira (22)
Identificado motociclista que morreu após acidente em Jaraguá do Sul
Esportes

Pelé realmente pode ser comparado com outros jogadores?

Ao longo da história, ele já foi comparado a Di Stéfano, Cruyff, Maradona e, mais recentemente, Lionel Messi. Para muitos, aliás, o argentino, após a conquista da Copa do Mundo de 2022, provou ser o melhor de todos os tempos
Geral

Aniversário de Jaraguá do Sul terá bolo de 300 quilos

O público vai poder apreciar receitas como "Quatro leites", "Dois amores", "Sonho de valsa", além dos tradicionais sabores como brigadeiro e morango
Aniversário de Jaraguá do Sul terá bolo de 300 quilos
Segurança

Homem morre após acidente no Czerniewicz, em Jaraguá do Sul

Acidente ocorreu no final da manhã desta segunda-feira (22)
Homem morre após acidente no Czerniewicz, em Jaraguá do Sul
Ver mais de Jaraguá do Sul