GNet
Vigilância Epidemiológica

Vigilância Epidemiológica alerta para o diagnóstico precoce e tratamento da hanseníase

12 Jan 2016 - 11h55

 A doença, infecciosa, crônica e contagiosa, acomete principalmente a pele e os nervos periféricos, incluindo as orelhas, nariz, braços, mãos, perna e pés, mas também pode atingir outros órgãos. A hanseníase tem cura; mas, se não for diagnosticada e tratada precocemente, pode causar deformidades físicas.


Santa Catarina, que em 2014 diagnosticou 150 casos novos de hanseníase, é um Estado considerado como de baixa endemicidade pelo Ministério da Saúde, apresentando taxa de detecção de 2,23 por 100 mil habitantes. Naquele ano, o percentual de cura dos novos casos foi de 89%. E 87,5% dos contatos domiciliares dessas pessoas foram examinados. Dos 150 novos casos notificados, 12,1% eram do grau 2 de incapacidade física - percentual considerado alto e que sugere diagnóstico tardio da doença e com sérias incapacidades físicas.

“No ano passado, as ações desenvolvidas para controlar a hanseníase no estado foram a busca ativa de portadores e dos contatos domiciliares dessas pessoas, tratamento oportuno e adequado, monitoramento, capacitação e a divulgação de informações sobre a doença à sociedade. Ressaltamos, também, a importância da intersetorialidade e a integração das ações da Vigilância Epidemiológica e da Atenção Básica”, afirma Nadmari Céli Grimes, técnica responsável pela Divisão de Doenças Crônicas Transmissíveis da Dive/SC, na qual está inserido o setor de hanseníase.

Sobre a hanseníase

A hanseníase é causada pelo Mycobacterium Leprae e é transmitida pelas vias aéreas superiores, por meio de contato direto e prolongado com o doente sem tratamento. A doença se desenvolve dependendo das condições do sistema imunológico do indivíduo ao qual foi transmitido o bacilo. Entre os principais sintomas, que podem demorar de dois a sete anos para se manifestar, estão manchas na pele com alterações de cor e de sensibilidade (a pessoa pode se queimar ou cortar sem sentir dor), dormência, queda de pelos e o comprometimento de nervos periféricos, levando à perda da força dos músculos inervados por tais nervos.


O diagnóstico e o tratamento da hanseníase são gratuitos, oferecidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O tratamento da hanseníase é feito por via oral, com a administração de um coquetel de antibióticos, cujas doses e tempo variam conforme a classificação da doença (Paucibacilar-PB ou Multibacilar-MB). O paciente deve tomar uma dose mensal na Unidade de Saúde (dose supervisionada) e as demais serão autoadministradas (pelo paciente em sua moradia), adotando, ao mesmo tempo, cuidados com olhos, mãos e pés para prevenção de incapacidades. A pessoa que convive com o doente também dever ser examinada. A hanseníase é uma doença de notificação compulsória em todo o território nacional e de investigação obrigatória.

Fonte: Secom

GNet

Matérias Relacionadas

Saúde

Liberação do uso de máscaras deve iniciar por parques, praças e praias em SC

O Estado está organizado para suprir as necessidades em 2022, como o calendário vacinal, UTIs especificas e centros de recuperação pós-pandemia.
Liberação do uso de máscaras deve iniciar por parques, praças e praias em SC
Geral

Prefeitura de Guaramirim apoia Feira de Adoção de Animais que ocorre neste sábado

A feirinha de adoção de animais ocorre nas dependências da Sala Verde, ao lado da Biblioteca Pública Municipal
Prefeitura de Guaramirim apoia Feira de Adoção de Animais que ocorre neste sábado
Geral

Uvel Chevrolet recebe premiação inédita da General Motors do Brasil

A premiação Classe A é concedida a apenas 15% das mais de 600 concessionárias Chevrolet no Brasil
Uvel Chevrolet recebe premiação inédita da General Motors do Brasil
Geral

Maior cometa já identificado pela ciência está vindo em direção à Terra

Corpo celeste é mais de 30 vezes maior do que os cometas geralmente vistos pelos cientistas, ele tem 150 km de diâmetro.
Maior cometa já identificado pela ciência está vindo em direção à Terra
Ver mais de Geral