GERAL

Uma viagem no Drake, o mar mais perigoso do mundo

17 Mar 2019 - 08h45Por Luciana Garbin, enviada especial

Vira e mexe ele surge na conversa. Como nome próprio: o Drake. E não tem quem venha ou volte de navio da Antártida que não ouça alguma história assustadora sobre o "mar mais perigoso do mundo". São relatos de marinheiros experientes sobre ondas de 8, 9, 10 metros de altura que fazem as embarcações chacoalharem por várias horas e muita gente passar mal - ou "marear" a bordo.

Terror dos primeiros exploradores da região, o percurso de cerca de mil quilômetros entre a Antártida e a Terra do Fogo, no extremo da América do Sul, agora se baseia em dados meteorológicos bem mais precisos. Numa viagem do continente gelado a Punta Arenas, no Chile, passa-se no mínimo 36 horas na Passagem de Drake, período que pode se estender dependendo das condições. O plano é sempre cruzá-lo entre uma frente fria e outra. Nem sempre, porém, é possível.

"Pegamos um Drake muito tenso no dia 29 de janeiro de 2009", lembra o capitão de fragata da Marinha Romivaldo Silva Vasques, imediato do navio brasileiro de Apoio Oceanográfico Ary Rongel, lembrando que as ondas chegaram a 9 metros e o vento, a 60 nós, ou 111 km/h. "Nós sabíamos que haveria mau tempo, mas não tanto. Foi uma situação que testou o limite do navio. Sua inclinação chegou a 45º e ele ficou pensativo se ia emborcar", brinca. "Eu era encarregado da carga do navio e passei a noite toda acordado."

Antes da entrada no Drake, todos os objetos dos navios são peiados (amarrados na linguagem naval), para que não "voem" na hora em que o mar estiver "batendo" e o navio, "jogando". Como o labirinto humano não foi feito para chacoalhar, é comum enjoar e vomitar.

Algumas condições impulsionam o mau humor do Drake. O meteorologista e primeiro-tenente da Marinha Luiz Felipe Neris Cardoso explica que a região está num cinturão de baixa pressão associado a tempo severo: chuvas fortes, rajadas de vento, mar agitado e neve. "O mar nessa área gera ondas conhecidas como marulhos, com períodos superiores a dez segundos, que costumam pegar o navio de través e bochecha, ou seja, de lado e de bico", explica. Quanto mais lateralmente a onda bate no navio, mais ele joga. E maior o risco de marear.

"Minha recomendação com o Drake nervoso é que quem não está de serviço fique na beliche ou na refeição", diz o comandante do Ary Rongel, Antonio Braz de Souza, que cruzou o Drake pela 31.ª vez na semana passada. Um dos truques é não ficar de estômago vazio. Outro, tomar remédio contra enjoo.

Oração

Em sua quarta e última operação antártica, Souza conta que toda vez que vai enfrentar o Drake senta em sua cadeira e faz uma oração. "É coisa de marinheiro. Antes de entrar, rezo uma ave maria e peço pela segurança do navio." Num dos cantos do passadiço do Ary Rongel, há uma imagem de Nossa Senhora dos Navegantes.

Ele afirma que com sete dias de antecedência é possível ter uma predição, mas a previsão fica melhor nos últimos três dias. Com as informações sobre ventos e ondas recebidas do Centro de Hidrografia da Marinha, o comandante decide se vai encarar o Drake ou esperar a frente fria se afastar. Ferramenta da qual antigos navegadores não podiam desfrutar. Não por acaso até o britânico Francis Drake, que dá nome ao mar, fugiu dele. Cauteloso, preferiu desviar pelo Estreito de Magalhães, de águas mais tranquilas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Inicia ampliação e revitalização de praças de lazer em Jaraguá

A primeira, na Rua Augusto Germano João Hanemann, na Barra do Rio Cerro, que teve as obras iniciadas na semana passada,
Inicia ampliação e revitalização de praças de lazer em Jaraguá
Geral

Prefeitura faz obra de prevenção na Barra

Prefeitura faz obra de prevenção na Barra
Geral

Recuperação de encosta no João Pessoa na etapa final

Recuperação de encosta no João Pessoa na etapa final
Geral

Semana Cultural Porteña conta com aulas virtuais de tango

Ver mais de Geral