Delivery Much
GERAL

Tribunal proíbe BH de tomar cobertores e alimentos de moradores de rua

29 Abr 2019 - 17h07Por Pepita Ortega

O Tribunal de Justiça de Minas confirmou a decisão que proibiu a prefeitura de Belo Horizonte de apreender documentos de identificação e pertences pessoais - cobertores, roupas, alimentos, remédios ou qualquer outro objeto lícito - de moradores de rua.

Na última quinta, 25, os desembargadores da 8ª Câmara Cível do Tribunal negaram recurso do Estado e de Belo Horizonte que contestavam a sentença da primeira instância.

A ação popular contra o Estado e o município, foi movida em 2012 por um cidadão que reside em BH.

O homem alegou ter testemunhado "abordagens da Polícia Militar, da Guarda do município e de agentes públicos municipais da limpeza urbana, que apreenderam os objetos pessoais dos moradores em situação de rua".

Ele argumentou que "os atos violam direitos fundamentais assegurados pela Constituição e por tratados internacionais, afirmando que princípios da juridicidade e da moralidade administrativa foram violados pelos agentes do poder público".

Contestação

Em contestação, o Estado de Minas destacou que "a Polícia Militar agiu dentro dos estritos limites de suas atribuições legais, limitando-se ao acompanhamento da fiscalização municipal, a fim de cumprir seu ofício de manutenção da ordem e da segurança".

Já o Município de BH afirmou nos autos "que a ocupação irregular ocasiona a obstrução da passagem de pedestres com papelões, caixas, colchões, lonas, sucatas, móveis velhos e muito lixo" e que "quando há necessidade de recolher tais materiais, a pessoa em situação de rua é orientada a se retirar do local, bem como convidada a procurar o setor social da Prefeitura para assistência".

'Grave Ofensa'

Na decisão em primeira instância, a juíza Cláudia Costa Cruz Teixeira Fontes, da 5ª Vara de Fazenda Pública e Autarquias, apontou que a retirada dos objetos da "população altamente vulnerável", constitui "grave ofensa" ao princípio da dignidade da pessoa humana, um valor supremo que serve como base para os direitos fundamentais.

A magistrada afirmou que a as ações "refletem um Estado totalitário e arbitrário característico dos séculos passados".

Cláudia Fontes destacou, citando a promotora de Justiça Cláudia do Amaral Xavier, que os "papelões" e as "panelas" são "itens necessários à sobrevivência para quem vive em situação de rua, privado de tudo", uma vez que o primeiro "esquenta o corpo da friagem das ruas" e o segundo aquece os alimentos.

A juíza citou reportagens que foram juntadas aos autos.

Segundo ela, os textos "denunciam as violências diversas sofridas pelos moradores de rua e as abordagens truculentas por parte dos agentes da Polícia Militar e da Guarda Municipal, com recolhimento à força de pertences pessoais".

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Serra do Rio do Rastro está temporariamente interditada para obras de contenção

Serra do Rio do Rastro está temporariamente interditada para obras de contenção
Geral

Obras de arte da duplicação da BR-280 são licitadas

Cinco empreiteiras participaram do processo licitatório, que compreende as obras de arte especiais do trecho - Ponte do Portal, Viaduto do Manne e elevado no bairro Avaí
Obras de arte da duplicação da BR-280 são licitadas
Geral

Idoso de Curitiba que estava desaparecido é encontrado em Rio do Sul 

Silverinho da Silva, 69 anos, dirigia um GM/Prisma e chamou a atenção dos policiais porque estava rodando sem uma das rodas
Idoso de Curitiba que estava desaparecido é encontrado em Rio do Sul 
Geral

Pedágio virtual dos Bombeiros de Jaraguá encerra nesta sexta

Qualquer valor é bem-vindo
Pedágio virtual dos Bombeiros de Jaraguá encerra nesta sexta
Ver mais de Geral