GERAL

Teto afunda em nova Câmara que custou R$ 13 milhões em Sertãozinho

22 Fev 2019 - 16h04Por José Maria Tomazela

Com menos de quatro meses de uso, o novo prédio da Câmara de Vereadores de Sertãozinho, interior de São Paulo, está parcialmente interditado por risco de desabamento. O teto do plenário principal afundou 20 centímetros e a estrutura apresenta rachaduras. A obra levou 11 anos para ficar pronta e, ante uma previsão inicial de R$ 1,8 milhão, acabou custando R$ 13 milhões aos cobres públicos - quase 700% a mais. Com a falência da construtora, o Legislativo ainda não sabe quem vai arcar com o prejuízo. O caso será levado ao Ministério Público Estadual.

O prédio, de 3 mil m², foi construído para acomodar os 17 vereadores e seus gabinetes. O presidente da Câmara, Lúcio Martins de Freitas (PR), disse que, do início da obra até a entrega, houve paralisações e adequações no projeto arquitetônico. Os problemas teriam se agravado depois das chuvas intensas que atingiram a cidade nos últimos dias. "Esse combinado acabou contribuindo para o problema do telhado do plenário e, diante dessa situação, transferi os trabalhos das últimas sessões para o Teatro Municipal, já que esse espaço tem capacidade para 400 pessoas", disse.

Freitas contou que está se reunindo com engenheiros, advogados e servidores municipais para encontrar uma solução. As sessões de rotina serão realizadas, a partir da próxima semana, no 'plenarinho', o segundo plenário existente no prédio, com capacidade para 50 pessoas. A Câmara formou uma comissão para investigar as causas dos problemas no edifício. De acordo com o vereador Dino Merlim (PSDB), que preside a apuração, uma inspeção prévia indicou que o material usado no teto não condiz com o definido no contrato de obras.

O laudo de uma perícia deve indicar as condições da estrutura e as obras de reparo, bem como os custos das intervenções. "Quanto à responsabilização dos culpados, todas as medidas cabíveis, entre elas sindicâncias, estão sendo analisadas pela comissão. Uma vez comprovada a culpa, os responsáveis serão punidos", informou Freitas. A diretoria da Amigos Associados de Sertãozinho (Amasert), entidade civil, aguarda o retorno de informações solicitadas à Câmara para enviar pedido de investigação ao Ministério Público Estadual.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

História de superação e amizade

História de superação e amizade
Geral

WEG fornece Sistema de Armazenamento de Energia e Controle de Microrrede para o Centro de Lançamento

Soluções fornecidas para o projeto da Equatorial Energia garantirão segurança no fornecimento de energia durante os lançamentos de foguetes.
Geral

Mercado de energia solar cresce 70% e se posiciona como promissor e lucrativo no Brasil

Mercado de energia solar cresce 70% e se posiciona como promissor e lucrativo no Brasil
Política

Tragédia no Oeste provoca debate sobre segurança em CMEIs na Câmara de Jaraguá

Vereadores trataram do assunto na sessão de terça-feira (4)
Tragédia no Oeste provoca debate sobre segurança em CMEIs na Câmara de Jaraguá
Ver mais de Geral