Imobiliária Coralli
Geral

Tarifa da Celesc terá redução de 4,81% para o consumidor residencial

01 Ago 2012 - 21h15

A partir da próxima semana, os consumidores de energia elétrica da Celesc pagarão menos na tarifa: a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) divulgou nesta terça-feira (31) o índice de reajuste da tarifa de energia elétrica a ser praticada pela empresa a partir de 7 de agosto.


Em média as tarifas de energia, considerando todas as classes de consumo, terão redução de 0,32%. Para os consumidores da classe residencial (baixa tensão), por exemplo, a redução será de 4,81%.

"A redução da tarifa de energia em Santa Catarina é uma determinação do governador Raimundo Colombo desde o início do seu mandato. E pela segunda vez consecutiva, desde o ano passado, os valores da tarifa vêm diminuindo. A energia elétrica é um dos principais indutores do desenvolvimento econômico e social, que deverá ganhar novo impulso em Santa Catarina", avalia o presidente do Grupo Celesc, Antonio Gavazzoni. Ele se refere ao reajuste anual da tarifa, que em 2011 teve efeito médio de 1,19% ao consumidor, contra uma inflação de 5,5% no mesmo período. "No ano passado já tivemos uma tarifa menor do que nos 12 meses anteriores; dessa vez a redução será ainda mais perceptível", diz. "Ao mesmo tempo em que o valor ficou menor para a grande maioria dos consumidores, conseguimos garantir um bom reconhecimento do que a empresa praticou no último ciclo, com reposicionamento tarifário financeiro de 5,82% por conta de um trabalho focado de todas as áreas da Empresa", completa. Segundo Gavazzoni, desde janeiro do ano passado o tema da revisão esteve na pauta prioritária da companhia. "Nosso próximo desafio é a prorrogação da concessão. Estamos bem preparados", antecipou.

Entenda o impacto da nova tarifa para cada grupo de consumidor:

Subgrupo/classe      Efeito médio

A1 (230kV ou mais) - grande siderúrgica: -12,57%

A2 (88kV a 138kV) - cerâmico/siderúrgico/metalurgia/papel e celulose: -8,04%

A3 (69kV) - cerâmico / carbonífero / têxtil: -9,86%

A3a (30kV a 44kV) - cooperativas/madeira/bovinos/cereais/papel e celulose:6,86%

A4 (2,3kV a 25kV) - shoppings/comércio em geral/condomínios: 5,03%

B1 - Baixa Tensão - Residencial e Baixa Renda: -4,81%

B2 - Baixa Tensão - Rural: 0,26%

B3 - Baixa Tensão - Demais classes: 0,26%

B4 - Baixa Tensão - Iluminação pública:0,26%

Como acontece o processo - O novo valor conferido às tarifas da Celesc Distribuição encerra o terceiro ciclo de revisão tarifária. Diferente do reajuste anual, a revisão ocorre a cada quatro anos. Durante este processo, a ANEEL avalia o equilíbrio econômico-financeiro da concessionária, baseada no cenário econômico vigente e na projeção do comportamento do mercado para os próximos quatro anos. Para este ciclo, a ANEEL também define novos indicadores de qualidade, envolvendo limites de duração e frequência das interrupções no fornecimento de energia.


Um fator determinante para a redução da tarifa neste ciclo foi a queda da taxa de remuneração do custo médio do capital investido (WACC) para os serviços de expansão e manutenção do sistema elétrico. No ciclo anterior (2008-2012) a remuneração do WACC foi de 9,98%. Para o ciclo atual, a taxa de remuneração será de 7,5%.

Composição da tarifa - A Parcela A, de custos não gerenciáveis pela distribuidora, soma 83,4%, sendo que destes, 38% são custos associados à compra de energia, 26% aos impostos, e os 19% restantes são compostos por custos de transmissão, encargos setoriais.

Composição da Receita com Tributos:

Custo de transmissão: 7,7%

Encargos setoriais: 11,3%

Custo de energia: 38,1%

Outros: 26,2% (ICMS: 21,3% e PIS/COFINS: 5%)

Parcela B (custos de Distribuição): 16,6%

A Parcela B remete aos custos da distribuição gerenciáveis pela concessionária, (remuneração do capital, custo de operação e manutenção, etc.).

 

Matérias Relacionadas

Economia

FGV: confiança do empresário sobe pelo terceiro mês seguido

Taxa subiu 7,1 pontos de junho para julho
FGV: confiança do empresário sobe pelo terceiro mês seguido
Economia

População desocupada sobe para 12,4 milhões em julho, diz IBGE

Dados fazem parte da Pnad covid-19 divulgada hoje pelo instituto
População desocupada sobe para 12,4 milhões em julho, diz IBGE
Saúde

Pesquisadores desenvolvem tecido capaz de matar o vírus da covid-19

O estudo está sendo efetuado por institutos brasileiros
Pesquisadores desenvolvem tecido capaz de matar o vírus da covid-19
Santa Catarina

Estiagem em SC: Com chuva mal distribuída, municípios continuam em alerta

Conforme dados, entre 286 municípios monitorados, 214 estão em estado de normalidade, 56 em atenção, 13 em alerta e 3 em crítico
Estiagem em SC: Com chuva mal distribuída, municípios continuam em alerta
Ver mais de Geral