GERAL

Super-heróis dividem espaço com a política no carnaval de SP

04 Mar 2019 - 08h38Por Gilberto Amendola, Simião Castro, Leonardo Svarick e Vinicius Passarelli, especial para AE

"Quem não gosta de samba bom sujeito não é / É ruim da cabeça ou doente do pé / Eu nasci com o samba, no samba me criei / E do danado do samba eu nunca me separei", cantava Alcione. Troque a palavra "samba" acima por bloco e dá para entender o quanto o carnaval de rua paulistano tem atraído pessoas de todas as idades e se diversificado.

E a porta de entrada para a folia no domingo de Momo foi a mesma de tantos outros carnavais: as marchinhas. Foram elas que embalaram talvez a maior concentração de super-heróis, personagens de desenhos e de videogames por metro quadrado no bloco Gente Miúda, em Perdizes. Ele reuniu os pequenos foliões em meio a uma chuva de confete, espuma e serpentina. "Animar e envolver as crianças nesse universo, de maneira lúdica, é o objetivo", disse uma das produtoras do evento, Daiana Alves.

Grande parte dos foliões de primeira viagem, aliás, tomou a Faria Lima, ali perto, e aprovou o clima familiar do Bloco Madalena. "Eu tinha medo, receio da bagunça, mas me disseram que era tranquilo. Assim, aprendo a brincar o carnaval sem susto", disse a estudante Natali Dantas. "É a minha primeira vez também. Assistia na TV e morria de vontade", completou a também estudante Magiele Reis, de 20 anos.

Na zona oeste, aliás, os novatos tinham lugar reservado. Também com clima de matinê, o Jegue Elétrico se vestiu de personagens de histórias em quadrinhos, piratas e bailarinas. Só que a corda de isolamento era usada por crianças pequenas e idosos. "Trouxe o meu netinho. Acho que, para trazer criança, você tem de pegar o início do bloco. Depois fica complicado", disse Selma Abigail, de 61 anos.

Entre a política e a festa

Nos blocos mais "adultos" ou "veteranos", a crítica política se misturou ao clima de festa em cortejos como o do Explode Coração, que pelo terceiro ano levou às ruas Maria Bethânia como "trilha sonora" e deixou a Praça da República arrastando mais de 100 mil foliões pelo centro de São Paulo. Ali a homenagem ao álbum Alteza, de 1981, ocorreu em meio a lembranças da vereadora Marielle Franco e manifestações, com pessoas entoando "Ele, não".

Também em blocos como o Ritaleena, na Mooca (zona leste), não faltaram rapazes de rosa e meninas de azul, em clara citação às polêmicas iniciais do governo Jair Bolsonaro. "Este é um bloco feminista, cuidem das amigas", alertou desde o início a diretora musical, a cantora Alessa.

Enquanto isso, no Ibirapuera, o clima era só de festa, sob o comando de Michel Teló. A chuva, que pelo segundo dia encharcou foliões em cortejos nas zonas sul e leste, não chegou ao parque e o público "se acabou no arrocha" ao som de Ei, Psiu Beijo Me Liga, e Ai Se Eu Te Pego. No setlist, não faltaram modinhas de carnaval e o hit do verão: Jenifer. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Promotor de Justiça verifica situação dos cabos soltos nas ruas em Jaraguá

Marcelo Cota e o secretário de Planejamento, Eduardo Bertoldi, identificaram situações de fiação irregular em Jaraguá do Sul
Promotor de Justiça verifica situação dos cabos soltos nas ruas em Jaraguá
Geral

Entra em vigor lei do teste de paternidade em parentes de suposto pai

O teste em parentes consanguíneos poderá ser autorizado por um juiz
Geral

Obras da rotatória da Bertha Weege começam na segunda-feira

Obras da rotatória da Bertha Weege começam na segunda-feira
Política

Caropreso pede que governo priorize solução para infestação de maruim

Deputado repercutiu assuntos tratados com secretário de Agricultura no norte catarinense e necessidade de reforço nas barreiras fitossanitárias
Caropreso pede que governo priorize solução para infestação de maruim
Ver mais de Geral