Imobiliária Coralli
Geral

SUÍNOS: de abril a outubro preço já subiu 42% em Santa Catarina

12 Nov 2012 - 13h27

Uma das mais avançadas do mundo, a suinocultura catarinense prossegue a escalada de recuperação dos preços praticados na remuneração dos criadores de suínos. A Coopercentral Aurora Alimentos, empresa que detém o maior volume de abate em Santa Catarina, eleva hoje segunda-feira o preço por quilograma de suíno em pé para R$ 2,70, o que, adicionada a tipificação por qualidade da carcaça, representa o pagamento de R$ 2,97 por quilograma de animal em pé. A informação é do presidente da Coopercentral Aurora Alimentos Mário Lanznaster. Desde abril deste ano, quando o preço atingiu seu menor valor, até 12 de novembro, a remuneração básica (sem tipificação) do suinocultor teve uma recuperação de 42%.


Em abril o preço-base estava em R$ 1,90 e somente em julho iniciou a recuperação. Em setembro chegou a R$ 2,40, em 1o de outubro subiu para R$ 2,50, em 10 de outubro passou a R$ 2,60 e, agora, em 12 de novembro atinge R$ 2,70. Esse preço-base é acrescido do adicional da tipificação, índice que pode chegar até 10%, o que eleva o valor pago ao criador para praticamente três reais. A previsão para o último bimestre é de equilíbrio entre oferta de matéria-prima e processamento industrial. Ainda assim, a recuperação de ganhos dos criadores deve prosseguir até janeiro e avançar, provavelmente, mais 10 centavos nesse período. De fevereiro a abril de 2013 entrará em sazonal fase de baixo dinamismo comercial e nível de consumo.

O presidente da Aurora enfatizou que o reajuste deste mês não foi ditado pelo mercado, mas pelos resultados que a Aurora obteve nas vendas do mês de outubro: "Esse aumento de preço representa uma antecipação da distribuição de resultados do exercício de 2012, porque somos uma empresa de natureza cooperativista e nosso objetivo é melhorar a renda das famílias rurais". Lanznaster disse que o setor de aves e suínos ainda sofre com a disparada nos preços dos principais insumos (soja e milho), o que encareceu fortemente a produção de animais para abate e processamento industrial no Brasil. Isso afetou a competitividade de toda a cadeia produtiva, prejudicando as indústrias e também mais de 17.000 criadores.

(MB Comunicação)

Matérias Relacionadas

Economia

Abertura de empresas cresce, enquanto fechamento recua em 8 meses

Os dados foram apresentados na última quinta-feira (17) no Mapa das Empresas
Abertura de empresas cresce, enquanto fechamento recua em 8 meses
Saúde

Cientistas regeneram cartilagem que facilita movimentos

Eles usaram sinais químicos para orientar o crescimento das células-tronco esqueléticas à medida em que as lesões na cartilagem cicatrizam
Cientistas regeneram cartilagem que facilita movimentos
Geral

Setor de turismo lança Guia do Viajante Responsável

Manual traz medidas de prevenção ao novo coronavírus
Setor de turismo lança Guia do Viajante Responsável
Economia

Confiança do empresário industrial cresce pelo quinto mês consecutivo

Indicador está 3,1 pontos abaixo do registrado antes da pandemia
Confiança do empresário industrial cresce pelo quinto mês consecutivo
Ver mais de Geral