Joaçaba Pneus
GERAL

SP propõe trava de 10% para aumento de IPTU e deixa de cobrar dívidas de 90 mil

20 Fev 2019 - 08h42Por Bruno Ribeiro e Júlia Marques

O prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) decidiu nesta terça-feira, 19, enviar um projeto de lei à Câmara Municipal em que propõe a criação de uma trava permanente na cidade de 10% para aumento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). O texto também deve extinguir uma dívida, ainda não cobrada, de cerca de 90 mil imóveis da cidade, que em 2019 tiveram reajustes de até 50% no imposto.

A polêmica era justamente esta cobrança muito acima da média. Enquanto a maioria dos contribuintes teve reajuste de 3,5% neste ano, equivalente à inflação, alguns boletos vieram com aumentos de até 50%. A Prefeitura vinha argumentando que o reajuste estava certo: ao dar o aumento linear, alguns imóveis tinham mudado de faixa de isenção e perdido direito a descontos. Portanto, os boletos tinham de ser pagos. Na cidade, imóveis de até R$ 160 mil são isentos do IPTU. Já as propriedades entre R$ 160 mil e R$ 320 mil têm descontos que chegam a até 50% do valor devido. É a essa faixa de imóveis que pertenciam os 90 mil imóveis com reajuste mais alto. Só que a explicação da Prefeitura criou novos questionamentos. E se descobriu que parte desses imóveis não mudou de faixa agora, em 2019, mas entre 2015 e o ano passado. A constatação foi a de que houve erro nos sistemas de processamento de dados da Secretaria Municipal da Fazenda - e só agora se cobrou o valor devido.

O problema começa na gestão Fernando Haddad (PT), quando houve ampla correção da Planta Genérica de Valores (PGV), mapa que determina o valor do m² de toda a cidade e, assim, o valor venal de cada imóvel. O IPTU, por regra, é de 1% do valor venal. Em 2015, a Prefeitura criou trava de 10% de reajuste anual, ainda que a mudança de valor venal levasse a aumento maior que isso. Assim, o valor deveria subir, no máximo 10%, ao ano, até atingir o valor adequado, segundo o Município. O erro, revelado pela Folha de S. Paulo, foi que, por causa dessa trava, entre 2015 e 2018 alguns imóveis que deveriam perder descontos de IPTU não ficaram sem esses benefícios. Então, além de pagar mais imposto em 2019, eles também teriam de assumir valores retroativos - maiores do que os efetivamente cobrados nos quatro últimos anos. Portanto, por essa falha da Prefeitura, esses proprietários estavam inadimplentes, mesmo tendo feito o pagamento integral, na data certa, de boletos dos anos anteriores.

Propostas

O projeto de lei de Covas prevê que, mesmo quando houver nova correção da PGV, em gestões futuras, o IPTU de um ano para outro não poderá crescer mais do que 10% ante o valor do ano anterior, independentemente da inflação. O valor venal do imóvel é calculado e atualizado pela Prefeitura cada dois anos. A PGV é reajustada para que, caso um investimento público tenha valorizado imóveis, a Prefeitura tenha o direito de ficar com parte dessa valorização, aumentando o imposto cobrado. Na gestão João Doria (PSDB), um estudo chegou a ser feito, propondo correção da PGV de até 40%, o que daria aumento de IPTU na mesma porcentagem, especialmente em imóveis das regiões de Santo Amaro, Moema e Ibirapuera, beneficiados pela abertura da Linha 5-Lilás do Metrô.

A outra parte do projeto da gestão Covas trata da anistia da dívida dos 90 mil imóveis. "O prefeito determinou que enviássemos projeto propondo o perdão dessa diferença", disse o secretário de Governo, Mauro Ricardo. "Fizemos revisão em todo o orçamento para sabermos se havia equívoco em relação a 2019 e não há. Ele (o aumento) cumpriu a legislação. O que ocorreu é que devia ter sido implementado desde 2015. O contribuinte não tem culpa. O equívoco foi da Secretaria da Fazenda", afirma. De acordo com Ricardo, quem já estava devendo, sem pagar esses impostos anteriormente, só terá perdão do valor extra - sobre o qual o contribuinte nem sabia.

Dificuldade para pagar

Moradores de vários bairros de São Paulo relatam aumento do imposto e dificuldade para pagar a despesa. "Achávamos que seria mais um ano de aumento de 10% e, para nossa surpresa, veio 50%", diz Ruben Lício Reis, coordenador do movimento IPTU justo, criado no fim de 2018.

"Estamos lotados de casos. A quantidade de pessoas que não conseguem pagar é grande", diz Reis. O grupo coleta assinaturas para ingressar com ação civil pública no Ministério Público Estadual contra a cobrança.

A situação da tributarista Rita de Cássia Gonçalves, de 42 anos, é uma entre milhares. Ela viu o imposto passar de R$ 1.859 para R$ 2.735. "Para mim é até extorsão", diz ela, que mora em um casa no bairro Jardim da Saúde, na zona sul. Para conseguir pagar, ela teve de cortar outras despesas e decidiu parcelar o imposto na esperança de que o aumento seja revertido. "Tive de diminuir gastos com produtos pessoais porque a renda não acompanha. Ninguém tem um aumento desses."

Na casa da gestora ambiental Annabella Andrade, de 58 anos, foi a TV a cabo que ficou sacrificada para honrar o boleto. Foram R$ 833 de imposto pagos no início desse ano, ante R$ 369 no ano passado, segundo conta. Moradora de um prédio na Alameda Barão de Limeira, em Santa Cecília, região central, ela diz não entender o motivo do reajuste. "Esse IPTU é para pagar o quê?", indaga. Ela e outros moradores já foram à Defensoria Pública pedir esclarecimentos.

Ações

Especialista em Direito Administrativo, Adib Kassouf Sad explica que o Município pode fazer a revisão da Planta Genérica de Valores de tempos em tempos, após análises sobre características do imóvel. "Se o reajuste veio por meio de revisão da PGV, aprovada pela Câmara, não há o que discutir, a menos que se comprove que esses reajustes elevaram os bens para um valor superior ao de mercado", diz. Segundo ele, a ação civil pública não é o caminho adequado para se discutir a base de cálculo. "As pessoas terão ações coletivas ou individuais contra o Município." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Matérias Relacionadas

Geral

Mais 300 ruas terão iluminação de LED em Jaraguá do Sul

Jaraguá do Sul possui em torno de 25 mil pontos de iluminação pública, atualmente são mais de 5.500 luminárias de LED instaladas em 250 ruas, 16 praças e outros ambientes públicos
Mais 300 ruas terão iluminação de LED em Jaraguá do Sul
Geral

GUARAMIRIM - Programa Nascer recebe propostas para pré-incubação de ideias inovadoras

Objetivo da iniciativa é visa estimular a inovação e o empreendedorismo inovador de base tecnológica
Geral

Organizadores divulgam Festival de Cinema na Câmara 

O Festival conta com mostras competitivas de várias categorias como curta metragem, longa metragem, tanto em documentário quanto ficcional ou animação.
Saúde

Para conter avanço da covid, áreas coletivas dos parques são interditadas em Jaraguá

Apenas atividades físicas individuais, com uso de máscara, estão permitidas nesse período, sem a permanência nos parques
Para conter avanço da covid, áreas coletivas dos parques são interditadas em Jaraguá
Ver mais de Geral