Mês do Trânsito - Rádio
Geral

Redes de varejo apostam em serviços financeiros

01 Mar 2012 - 13h54

A venda de produtos não é mais a única forma das redes de varejo ganharem dinheiro. Serviços como empréstimo pessoal e financiamentos dos produtos comercializados representam significativa fatia dos lucros. E as grandes redes catarinenses já perceberam isso.

Na Koerich, até 70% dos negócios a prazo são feitos com parcelamento bancado pela loja. Outra atuação financeira é o empréstimo pessoal. O gestor de vendas da rede, Maurício Ramos, lembra que o serviço foi criado há quatro anos e, desde então, cresce mês a mês.

O motivo é o comportamento do público, que é diferente do crédito para compra de produtos. Maurício explica que logo após quitar o débito, as pessoas tomam outro empréstimo. 
O gestor de vendas declara que o negócio surgiu porque a Koerich tem um público fiel, com cadastro completo e histórico de pagamento. Além de acesso aos dados, o negócio tem a vantagem de não exigir a contratação de pessoal ou abertura de escritórios. 


A rede Berlanda não empresta dinheiro, mas também oferece serviços de financeira para parcelamento dos seus produtos. O dono do grupo, Nilso Berlanda, diz que tem parceria com o Banco BMG somente para  áreas de maior risco de inadimplência, como celulares, pneus e televisores. Ele afirma que estes produtos representam apenas 8% do faturamento. 
Os resultados dos serviços financeiros são evidentes. A venda de seguros prestamistas (para quitar dívida), negociados principalmente no varejo, cresceu 24% em 2010, informa a confederação nacional do setor. 

Na Lojas Renner, os serviços financeiros já representam 21,1% do ebitda (lucro antes de amortizações, juros, depreciação e amortização). Em 2009, eram 13,4%.Na Magazine Luiza, a venda de consórcios cresce 17% ao ano e já é feita fora das lojas, em  rede de representações autorizadas.

Em geral, os serviços são criados em parceria com redes bancárias, que instalam sistemas de informática e aplicam o modelo do negócio nos pontos de venda. O varejo costuma ficar com metade do lucro gerado nas operações financeiras. 
- Para o comércio, o benefício da parceria é duplo: atrai mais clientes às suas lojas e gera mais receita. Por isso, os serviços financeiros ganham importância para algumas grandes redes - explica Priscila Tambelli, analista de varejo do Banco do Brasil.

DIÁRIO CATARINENSE

Matérias Relacionadas

Geral

Liesa decide adiar desfiles das escolas de samba no Rio

Decisão foi tomada nessa quinta-feira à noite
Liesa decide adiar desfiles das escolas de samba no Rio
Jaraguá do Sul

Mudança no mapa de risco permite a abertura de parques e a realização de jogos recreativos em Jaraguá do Sul

Decisão do Município foi possível em função da nova classificação que o Estado fez da região Nordeste. Igrejas podem funcionar com 50% da capacidade
Mudança no mapa de risco permite a abertura de parques e a realização de jogos recreativos em Jaraguá do Sul
Política

Realização de debates deve seguir regras estabelecidas pela Justiça Eleitoral

Ressalta-se que os debates realizados durante o período eleitoral devem ser informados com antecedência à Justiça Eleitoral
Realização de debates deve seguir regras estabelecidas pela Justiça Eleitoral
Santa Catarina

Coronavírus em SC: Matriz aponta pela primeira vez Santa Catarina sem regiões em estado gravíssimo

Essa é a melhor condição do estado em relação ao risco de contaminação pelo novo coronavírus desde junho
Coronavírus em SC: Matriz aponta pela primeira vez Santa Catarina sem regiões em estado gravíssimo
Ver mais de Geral