Delivery Much
GERAL

Promotora quer reabrir triagem das Clínicas e do Santa Marcelina

22 Mai 2019 - 18h26Por Julia Affonso

A promotora de Justiça Dora Martin Strilicherk ajuizou ação civil pública na sexta-feira, 17, contra o Estado de São Paulo, o Hospital das Clínicas e o Hospital Santa Marcelina. O Ministério Público paulista contesta na Justiça a "supressão da triagem e classificação de risco da demanda espontânea nas Portas de Urgência/Emergência do Hospital das Clínicas e do Hospital Santa Marcelina", determinadas pelas unidades de forma administrativa.

À Justiça, a promotora pediu, liminarmente, que as unidades retomem a realização da triagem e da classificação de risco e que o Hospital Santa Marcelina deixe de fechar as portas para o Samu. Segundo Dora Martin Strilicherk, o Hospital das Clínicas suspendeu a triagem em 22 de novembro de 2018.

Na segunda-feira, 20, a juíza Liliane Keyko Hioki, da 1ª Vara da Fazenda Pública, mandou intimar o Estado e os hospitais a se manifestarem sobre o pedido liminar da promotora. A magistrada deu prazo de 72 horas.

Na ação, a promotora afirma ainda que o Santa Marcelina também fechou a porta para SAMU e ambulâncias a cada 3 dias por 72 horas. Na avaliação do Ministério Público, as medidas "impõem risco indiscutível à saúde e à vida dos pacientes, caracterizando omissão de socorro e infração à ética médica".

"A rede de atendimento de urgência e emergência do SUS na cidade de São Paulo corre sérios riscos de desarticulação, pois as demais Portas Hospitalares podem sentir-se no direito de também fecharem", afirmou Dora Martin Strilicherk.

Entenda os argumentos da Promotoria

Dora relatou à Justiça que o Hospital das Clínicas "está referenciado na Rede SUS do Estado de São Paulo como Hospital Universitário de alta complexidade e também está habilitado na Rede de Urgência e Emergência (RUE) como Porta Hospitalar de Urgência e Emergência".

Por isso, afirma a promotora, a unidade recebe "custeios diferenciados, com a obrigação legal de manter a porta de urgência/emergência aberta por 24 horas, todos os dias, atendendo a demanda espontânea e a referenciada mediante acolhimento e classificação de risco".

A promotora aponta que o fechamento da triagem afronta o Contrato de Convênio firmado com os hospitais e as normas da Rede de Urgência e Emergência. A RUE é uma das redes prioritárias do Ministério da Saúde e é formada pelo Serviço de Atendimento Móvel as Urgência (Samu), pelas Unidades de Pronto Atendimento (Upas) e pelas Portas Hospitalares.

"Não pode se portar como se fosse uma unidade de saúde privada, colocando em risco a vida de pacientes que se dirigem ao Pronto Socorro do Instituto Central. Infelizmente, é exatamente esse o quadro que temos desde a data de 23 de novembro de 2018 e que vem sendo objeto de apuração no Inquérito Civil 708/2018, instaurado nesta Promotoria de Saúde Pública", narrou.

Segundo a promotora, "o Pronto Socorro do Instituto Central do Hospital das Clínicas não mais atende a demanda espontânea e suspendeu a triagem e classificação de risco dos pacientes" que chegam ao local para atendimento de urgência. Dora Martin Strilicherk afirmou que apenas ambulâncias do SAMU ou encaminhadas por outras unidades referenciadas estão autorizadas a entrar no Pronto Socorro.

O inquérito apontou que "pacientes que chegam ao Pronto Socorro Central de forma independente (demanda espontânea) são orientados por um funcionário da guarita a procurar outras unidades de saúde elencadas num pequeno panfleto".

De acordo com a investigação, os pacientes são forçados a "buscar atendimento em outro local sem passar por triagem e classificação de risco no Pronto Socorro, que avalie a real gravidade do quadro clínico e a possibilidade, ou não, do paciente, por conta própria, dirigir-se a outro serviço de menor complexidade".

"Os riscos à saúde/vida dos pacientes tem sido desprezados pelo Conselho Deliberativo e pela Superintendência do HC, que delegam para um vigilante de portaria, sem formação em saúde, a possibilidade de abrir uma "exceção" à determinação do HC de proibir a entrada de pacientes no Pronto Socorro, caso esse mesmo vigilante entenda ser um caso grave, a partir unicamente de sinais exteriores, capazes de serem detectados por uma pessoas leiga e, no mais das vezes, pouco instruída", afirmou a promotora.

A ação relatou à Justiça que um funcionário da área de saúde do próprio Hospital das Clínicas denunciou a morte de uma paciente. Segundo Dora Martin Strilicherk, a mulher foi impedida de acessar o Pronto Atendimento pelo vigilante da unidade.

"Quando barrada na Porta do Pronto Atendimento de Urgência do HC, com fortes dores no peito e em toda a lateral esquerda do corpo, com intensa transpiração e olhos revirados, deveria ter sido atendida imediatamente, pois o quadro era compatível com infarto do miocárdio e poderia levar a óbito, como de fato a levou", narrou.

"A morte da paciente chegou ao conhecimento da Promotoria de Justiça por denúncia de funcionário da área de saúde do próprio HC, quando então ouvimos a família e demos sequência às apurações, que redundaram em requisição de Instauração de Inquérito Policial."

A ação afirma que o Hospital das Clínicas alegou que fechou sua triagem pois é uma unidade de "alta complexidade". Dora Martin Strilicherk relatou à Justiça que, em abril de 2019, a direção do hospital fechou as Portas do Pronto Socorro e encerrou a triagem sob o argumento de "superlotação e ocupação de leitos além de sua capacidade de instalação".

Segundo a promotora, a unidade pendurou uma faixa em sua entrada da frente, na qual orienta os pacientes a procurarem outro hospital. "Atenção - Pronto-Socorro SUS 100 Referenciado - Para Atendimento procure uma Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima de sua casa ou a UPA 26 de Agosto - Itaquera. Atendimento exclusivo trazido por ambulâncias do SAMU, Corpo de Bombeiros e de outros serviços de saúde referenciados", informou a faixa.

O Ministério Público pediu que a Justiça condene o Estado a monitorar, fiscalizar e tomar as providências legais e administrativas cabíveis para impedir o fechamento das Portas Hospitalares de urgência em unidades hospitalares integrantes da RUE, inclusive com o cancelamento de habilitações e cessação de custeios diferenciados às unidades de saúde que não prestem o serviço nos moldes da pactuação da RUE e contratos de convênio.

COM A PALAVRA, O HOSPITAL DAS CLÍNICAS

O HCFMUSP esclarece que a paciente Elizabeth Aparecida Carvalho Shiba foi atendida no Centro de Atendimento Médico do HCFMUSP, no próprio Instituto Central, seis minutos após a chegada ao hospital, tendo sido atendida por equipe médica multidisciplinar do próprio centro, e também pelo time de resposta rápida, conforme registrado nas câmeras internas. De acordo com a apuração realizada, a paciente recebeu todos os cuidados que a situação exigia, mas não resistiu.

Com a palavra, o Hospital Santa Marcelina

NOTA DE IMPRENSA

O Hospital Santa Marcelina informa que foi notificado e mantém seu atendimento de acordo com a classificação de risco e com atendimento aos casos complexos trazidos por ambulâncias do SAMU, Corpo de Bombeiros e de outros serviços referenciados.

O atendimento de Pronto-Socorro tem o seguinte cenário atual:

Sala de Choque
• 2 leitos - cadastrados pela ANVISA = 8 pacientes internados (sendo 1 entubado e 3 no aguardo de vaga na UTI)

PS Cirúrgico
• 11 leitos - cadastrados pela ANVISA = 35 pacientes internados

PS Clínico
• 18 leitos - cadastrados pela ANVISA = 51 pacientes internados.

A Assessoria de Imprensa do Hospital Santa Marcelina se mantém à disposição para prestar esclarecimentos, porém lamenta que a postura de alguns veículos de imprensa que realizam imagens do Hospital ou entrevistam pessoas em suas dependências internas, sem acionar nosso setor presencialmente.

A Rede de Saúde Santa Marcelina conta com o apoio da mídia para conscientizar a população de que a Atenção Primária (UBS - próxima da residência do usuário), AME, UPA 24h e PA 24h estão disponíveis para atendimento de urgência e emergência para os casos de baixa e média complexidade.
Dados de atendimento do Hospital Santa Marcelina por ano

• 60 mil atendimentos no Pronto-Socorro (de média e alta complexidade);
• 600 mil consultas ambulatoriais;
• 90 mil internações;
• 33 mil cirurgias;
• realização de 4 milhões e 700 mil exames SADT.

COM A PALAVRA, A PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO

A reportagem fez contato com a Procuradoria-Geral do Estado. O espaço está aberto para manifestação.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Deslizamentos de terra danificam imóveis em Jaraguá

Três casas tiveram danos ocasionados por deslizamentos. Além disso, houve registros de quedas de árvores e outras ocorrências sem gravidade.
Deslizamentos de terra danificam imóveis em Jaraguá
Geral

Participe dos grupos de WhatsApp da Rádio Jaraguá

Pelo aplicativo você tem acesso às notícias mais importantes a qualquer momento
Participe dos grupos de WhatsApp da Rádio Jaraguá
Geral

Norma de pesagem é revisada e caminhoneiro pagará menos, diz ministro

Segundo ele, peso por eixo será substituído e tolerância, ampliada
Saúde

Weg integra grupo que fará doação para nova usina de oxigênio ao Amazonas

O grupo fará uma doação para o programa Unidos Contra a Covid-19 no valor de R$ 1,6 milhão, referente a uma usina de produção de oxigênio, que deverá dar suporte aos hospitais públicos da região
Weg integra grupo que fará doação para nova usina de oxigênio ao Amazonas
Ver mais de Geral